Na ilha de Chico Braga…

Algodoal. Foto Cléber Lima

Ilha do Algodoal- Pará

Publicidade

Algodoal é uma das quatro vilas que formam a Ilha de Maiandeua, localizada no município de Maracanã, na região do Salgado, nordeste do Pará.

Por ser muito próximo de Algodoal, o porto de Marudá, distrito de Marapanim, é utilizado como referência de acesso à ilha

Estivemos conferindo as belezas da ilha de Algodoal no mês de julho, um local de natureza ímpar e exuberante, cercado de lindas e extensas praias de areia branca, de lagoas de água doce (formadas pelas chuvas de inverno), com a maior e mais bonita sendo a Lagoa da Princesa, e com diversos furos de água salgada cercados de manguezais intocáveis, proporcionando uma incrível diversidade de paisagens tanto da flora, quanto da fauna predominantes. A ilha é banhada pela Baía de Marapanim, pelo Oceano Atlântico, e pelo Canal da Mocooca.

“Algodoal também possui ondas para a prática do surf, e alguns surfistas mantêm acesa a chama do esporte na região, totalmente carente de acessórios e equipamentos”.

A origem do nome de Algodoal deriva de duas histórias: a primeira, e mais conhecida, é a de que o nome “Algodoal” se refere a um tipo específico de planta que tem na ilha, cujas sementes têm filetes brancos que lembram algodão. Já a outra versão diz que a ilha se chama “Algodoal” por causa das extensas dunas de areia muito branca, que, vistas de longe, também parecem algodão.

Algodoal também proporciona uma sensação de paz e sossego tanto para os turistas, quanto para os veranistas da capital que possuem casa na ilha. Um grande fator que contribuiu para esse clima aconchegante foi a proibição de veículos automotores na ilha, com o transporte de mercadorias e de turistas sendo realizado por um serviço de aluguel de charretes, o ‘táxi’ do local.

O nativo é amigável e muito receptivo. Nos principais feriados, como o Réveillon, o Carnaval e a Semana Santa, a ilha recebe centenas de turistas diariamente, vindos principalmente da região metropolitana de Belém, alguns vem para passar vários dias, visto que a ilha não cobra nenhuma taxa de permanência, outros podem optar em voltar para Marudá no fim de tarde, de acordo com os horários disponíveis das embarcações.

                                   Área de Proteção Ambiental
Algodoal tornou-se uma Área de Proteção Ambiental (APA) em 1990, através de uma resolução da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema). Por isso, veículos de tração motorizada são proibidos de circular na ilha. 

As noites de Algodoal são regadas a muito reggae, ao típico batuque do carimbó e ao ‘tecnobrega’ nos bares espalhados em torno da única praça, e principal ponto de encontro da Vila. A ilha ainda oferece boas pousadas e inúmeros restaurantes e você pode também agendar passeios de barcos e charretes.

 

O  surfista e fotógrafo do site Craud.net Cléber Lima registrou dezenas de fotos deste paraíso paraense localizado a 40 minutos de barco de Marudá, e distante 189 km da capital Belém. Além é claro, de aproveitar um ‘swell’ de verão que produziu umas marolas surfáveis.

Esta matéria é uma homenagem aos surfistas de Algodoal; e ao mestre do Carimbó de Maiandeua Chico Braga e sua obra.

Por Denys Sarmanho

Fotos Cléber Lima

Fontes de pesquisa: g1.globo.com, You Tube e blogtimberland.com.br

Galeria de Imagens