Ela foi para o Havaí sem nada e criou família sozinha: a incrível história da mãe do novo campeão mundial de surfe

Alex Florence é mãe de John John, novo campeão mundial de surfe. Foto Divulgção

Se por trás de todo grande homem, há uma grande mulher, no caso de John John Florence, novo campeão mundial de surfe, essa é, sem dúvidas, sua mãe. Alexandra Florence deixou os pais e Nova Jersey rumo ao Havaí aos 16 anos, sem nada em mãos, e, sozinha, criou uma família com três filhos

Publicidade

Não é exagero, inclusive, dizer que a história do primeiro título de John John começa a ser escrita muito antes de seu nascimento, em 1992. Foi graças à opção de sua mãe, ainda na década de 80, que o surfista de 24 anos ganharia as ondas de Pipeline em seu quintal, o que o fez virar fenômeno ainda aos 13.

De Nova Jersey para o Havaí

Muito antes de se tornar mãe de John John – ou “Momjohn” como é conhecida no circuito -, Alexandra Helen Florence cresceu em Ocean Groove, uma pequena comunidade litorânea de Nova Jersey, que nasceu para ser uma espécie de lugar de veraneio para cristãos. Foi ali que ela conheceu o surfe.

Mãe de John John se mudou para o Havaí na década de 80

Mãe de John John se mudou para o Havaí na década de 80

A paixão pelo esporte que nesta terça-feira rendeu a consagração máxima a seu filho, porém, se deu graças a um filme da década de 80, “Beyond Blazing Boards”. Foi ao assistir àquela fita VHS, várias e várias vezes, que Alex decidiu que se dedicaria a ser surfista e, para isso, se mudaria para o Havaí.

O dinheiro para a viagem foi conquistado em concursos de biquíni, tradicionais nos Estados Unidos. Na mochila, Alex levou um skate e algumas notas de cem dólares. Desembarcou na capital havaiana Honolulu em 1986, pediu uma carona na estrada em frente ao aeroporto e desceu em Haleiwa.

Na área famosa pelas ondas, Alex conseguiu seu primeiro emprego, fazendo figuração no filme “North Shore”, lançado em 1987, que colocou surfistas profissionais para atuar. Depois disso, trabalhou em uma lanchonete; em seguida, numa pizzaria; e, por fim, em um restaurante de frutos do mar.

John John Florence, recém-nascido, com sua mãe Alex

John John Florence, recém-nascido, com sua mãe Alex

Mãe e “faz-tudo” dos filhos

Assim como mudou de trabalho com frequência, Alex também viajou bastante: passou um ano em Kauai, outra ilha havaiana; outro tempo em Bali, na Indonésia; conheceu a Europa… No giro pelo outro lado do atlântico, ela estava acompanhada de John Florence, que se tornaria pai de seus três filhos.

De volta ao Havaí, Alex e John se casaram e, assim como procriaram rápido, não duraram muito tempo juntos. O pai dos meninos tinha problemas com alcoolismo e acabou preso por dirigir embriagado. Na época da separação, John John tinha cinco anos; Nathan, três; e o Ivan, apenas um ano e meio.

Foi nesta época que Alex decidiu retornar a Bali, desta vez com os filhos. Depois de quatro meses, os quatro retornaram ao Havaí e não saíram mais. Ao completar sete anos, John John começou, incetivado pela mãe, a surfar as maiores ondas da costa havaiana e não demorou muito para virar uma estrela.

O papel de sua mãe, contudo, segue preponderante. Hoje, Alex acompanha o filho na maioria das viagens para as etapas do Mundial e uma espécie de “faz-tudo” em sua carreira. “Sou escrava, cozinheira, faxineira, anotadora de recados e empresária”, brincou ela, à revista “Free Surf”.

Na verdade, Alex faz o mesmo para todos os filhos, também surfistas – Nathan e Ivan, porém, são “free surfers”, mas igualmente especialistas em ondas grandes. “É um trabalho de tempo integral. E é bom porque mantém o dinheiro circulando em nossa pequena família”, explicou a mãe, na mesma entrevista.

John John Florence e sua mãe, Alex

John John Florence e sua mãe, Alex

“Eu penso: ‘Não, eu posso fazer isso de graça, por que pagar uma pessoa?’. E John fica, ‘mãe, você não precisa fazer tudo’. Por ter criado a família sozinha, acho que sou assim”, seguiu. “E, você sabe, ninguém vai amá-los mais do que eu”, encerra Alex, que, por sua história de vida, nem precisaria dizer.

Fonte espn.uol.com.br