Vans World Cup segue com grandes ondas em Sunset Beach

Bino Lopes of Brazil advances in first from round two heat five of the Vans World Cup 2017 at Sunset Beach, Hawaii
Bino Lopes (Foto: Keoki Saguibo – WSL)
By João Carvalho

A quinta-feira amanheceu no Havaí com Sunset Beach ainda bombando altas ondas para a continuação do QS 10000 Vans World Cup of Surfing, a segunda joia da Tríplice Coroa Havaiana que está fechando a temporada 2017 da World Surf League na ilha de Oahu. Foi mais um dia de condições desafiadoras para os sessenta surfistas que competiram nas quinze baterias disputadas no segundo dia, quinze sul-americanos entre eles. Dos treze brasileiros que entraram no mar, apenas quatro saíram classificados para a rodada de estreia dos principais cabeças de chave na terceira fase.

O baiano Bino Lopes, o paulista Alex Ribeiro e o cearense Michael Rodrigues, que defende a última vaga no G-10 do QS em Sunset Beach, venceram suas baterias e o carioca Lucas Silveira passou em segundo lugar na dele.

Miguel Tudela (Foto: Keoki Saguibo – WSL)
Publicidade

O peruano Miguel Tudela também se classificou, barrando duas feras em ondas grandes, o havaiano Billy Kemper e o australiano top da elite, Josh Kerr, para passar em segundo lugar na bateria que abriu a quinta-feira da Vans World Cup. Ela foi vencida por Benji Brand, sul-africano que há muitos anos mora na ilha de Oahu e compete no circuito mundial como havaiano. Com o segundo lugar, Miguel Tudela foi para a quarta bateria da terceira fase, encabeçada pelo campeão mundial Adriano de Souza e o havaiano Keanu Asing, com o australiano Davey Cathels completando essa disputa por duas vagas para as oitavas de final.

As duas primeiras já foram conquistadas no confronto que fechou a quinta-feira com uma dobradinha australiana no show de Matt Wilkinson em sua estreia na Vans World Cup. Ele simplesmente destruiu os recordes do campeonato com uma apresentação incrível nas direitas enormes de Sunset Beach. Logo na primeira onda, já ganhou a maior nota dos dois dias – 9,33 – e na seguinte recebeu 8,77 para totalizar 18,10 pontos de 20 possíveis. Wilko ainda surfou mais duas ondas no mesmo ritmo que valeram 7,50 e 8,50, suficientes para vencer todas as quatorze baterias da segunda fase disputadas na quinta-feira.

Michael Rodrigues (Foto: Keoki Saguibo – WSL)

O também australiano Wade Carmichael chegou em Sunset em oitavo no ranking e é um dos cinco surfistas que ainda têm suas vagas para o CT 2018 ameaçadas. Abaixo dele estão o havaiano Ezekiel Lau em nono e os brasileiros Italo Ferreira em décimo e Michael Rodrigues em 11.o lugar. O cearense fecha a lista dos dez que se classificam, porque o número 3 do ranking, Kanoa Igarashi, está entre os 22 primeiros no CT que são mantidos na elite dos top-34.

Michael Rodrigues conquistou a terceira e última vitória do Brasil na quinta-feira, numa hora ruim do mar em Sunset Beach, com a maioria das ondas fechando rápido sem abrir tubos ou paredes mais longas para manobras. Ninguém conseguiu nem uma nota 4 pelo menos e o brasileiro somou o 3,83 da sua primeira tentativa de pegar um tubo, com o 3,33 da última para vencer por 7,16 pontos. O espanhol Aritz Aranburu passou em segundo com 6,43, superando os 5,47 do norte-americano Ian Crane e os 3,96 do havaiano Kaimana Jaquias.

Alex Ribeiro (Foto: Tony Heff – WSL)

VAGAS NO G-10 – No entanto, o importante era a classificação para somar mais pontos no ranking. O cearense está trocando 1.550 do seu quinto pior resultado em Sunset Beach, então precisa passar mais uma bateria para garantir 2.100 nas oitavas de final e continuar avançando porque vários surfistas podem entrar no G-10 na Vans World Cup. Seu próximo desafio será na 11.a bateria da terceira fase, contra um top do CT, Sebastian Zietz, um brasileiro já garantido como novidade na elite de 2018, Yago Dora, além do português Vasco Ribeiro que está em 38.o no ranking com chance de vaga ainda, porém só com a vitória no QS 10000 de Sunset.

Alguns concorrentes mais próximos do G-10 do que o português, também competiram e dez saíram da briga na quinta-feira. Entre eles, os brasileiros Alejo Muniz (20.o lugar), Deivid Silva (28.o) e Flavio Nakagima (30.o), o norte-americano Nat Young (19.o) e os australianos Josh Kerr (21.o) e Mikey Wright (29.o), irmão de Tyler Wright, que no mesmo dia festejava o bicampeonato mundial conquistado em outra ilha do Havaí, Maui.

Bino Lopes (Foto: Keoki Saguibo – WSL)

VITÓRIAS SEM DOBRADINHAS – As outras únicas vitórias sul-americanas aconteceram em baterias com participação dupla do Brasil. Na terceira do dia, válida como a quinta da segunda fase, o baiano Bino Lopes venceu, o australiano Jackson Baker passou em segundo e o paulista Flavio Nakagima ficou em último. Três baterias depois, o fato se repetiu na vitória do paulista Alex Ribeiro no confronto Brasil x Estados Unidos, com Brett Simpson ganhando a segunda vaga e o paranaense Peterson Crisanto eliminado em quarto lugar.

Na bateria seguinte, entraram mais dois brasileiros, só que ambos perderam para o havaiano Cody Young e o australiano Adam Melling. Campeão das duas últimas etapas do QS no Brasil, Deivid Silva terminou em terceiro lugar e o paulista Victor Bernardo em último. Ainda tiveram mais duas chances de dobradinha sul-americana frustradas. Na 14.a bateria, o carioca Lucas Silveira teve que brigar pela segunda vaga com o argentino Leandro Usuna para passar junto com o francês Marc Lacomare. Na 15.a foi pior, o catarinense Alejo Muniz e o uruguaio Marco Giorgi foram barrados pelos havaianos Evan Valiere e Barron Mamiya.

CABEÇAS DE CHAVE – Essa dupla eliminação fechou a participação sul-americana na segunda fase e na terceira o Brasil terá o reforço das suas principais estrelas, os campeões mundiais Adriano de Souza e Gabriel Medina e outros integrantes da elite do CT, além das quatro novidades já confirmadas na “seleção brasileira” que vai disputar o título mundial no ano que vem, o paulista Jessé Mendes e os catarinenses Yago Dora, Tomas Hermes e Willian Cardoso.

Serão mais doze brasileiros estreando na terceira fase, já disputando classificação para as oitavas de final da Vans World Cup. A sexta-feira já vai começar com participação tripla na primeira bateria do dia, com o paulista Caio Ibelli, o pernambucano Ian Gouveia e o carioca Raoni Monteiro, disputando duas vagas para as oitavas de final com o francês Maxime Huscenot. Adriano de Souza entra duas depois, junto com o peruano Miguel Tudela e mais nove baterias terão um ou dois brasileiros disputando classificação em Sunset Beach.

O QS 10000 Vans World Cup of Surfing está sendo transmitido ao vivo de Sunset Beach pelo www.worldsurfleague.com e a primeira chamada de cada dia é geralmente às 7h00 no Havaí, 15h00 no horário de verão do Brasil.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A World Surf League (WSL), antes denominada Association of Surfing Professionals (ASP), tem como objetivo celebrar o melhor surf do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão.

A WSL vem realizando os melhores campeonatos do mundo desde 1976, promovendo os eventos que definem os campeões mundiais masculino e feminino no Championship Tour, além do Big Wave Tour, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, bem como o WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, promovendo a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis, para coroar os campeões de todas as divisões do Circuito Mundial.

Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis WSL app. A WSL tem uma enorme legião de fãs apaixonados pelo surf em todo o mundo, que acompanham ao vivo as apresentações de grandes estrelas, como Tyler Wright, John John Florence, Paige Alms, Grant Baker, Phil Rajzman, Tory Gilkerson, Mick Fanning, Stephanie Gilmore, Kelly Slater, Carissa Moore, Gabriel Medina, Courtney Conlogue, entre outros, competindo no campo de jogo mais imprevisível e dinâmico entre todos os esportes no mundo.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com

—————————————————————-

João Carvalho – WSL South America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

—————————————————————-

RESULTADOS DOS SUL-AMERICANOS NA QUINTA-FEIRA:

SEGUNDA FASE – 3.o=65.o lugar (US$ 750 e 600 pts) e 4.o=81.o lugar (US$ 500 e 500 pts):

———bateria que fechou a quarta-feira:

2.a: 1-Raoni Monteiro (BRA)2-Luel Felipe (BRA), 3-Soli Bailey (AUS), 4-Ricardo Christie (NZL)

———baterias que abriram a quinta-feira:

3.a: 1-Benji Brand (HAV), 2-Miguel Tudela (PER), 3-Billy Kemper (HAV), 4-Josh Kerr (AUS)

4.a: 1-Davey Cathels (AUS), 2-Dion Atkinson (AUS), 3-Carlos Munoz (CRI), 4-Hizunomê Bettero (BRA)

5.a: 1-Bino Lopes (BRA), 2-Jackson Baker (AUS), 3-Torrey Meister (HAV), 4-Flavio Nakagima (BRA)

7.a: 1-Jorgann Couzinet (FRA), 2-Makai McNamara (HAV), 3-Thiago Camarão (BRA), 4-Cam Richards (EUA)

8.a: 1-Alex Ribeiro (BRA), 2-Brett Simpson (EUA), 3-Jordy Collins (EUA), 4-Peterson Crisanto (BRA)

9.a: 1-Cody Young (HAV), 2-Adam Melling (AUS), 3-Deivid Silva (BRA)4-Victor Bernardo (BRA)

11: 1-Michael Rodrigues (BRA), 2-Aritz Aranburu (ESP), 3-Ian Crane (EUA), 4-Kaimana Jaquias (HAV)

13: 1-Ramzi Boukhiam (MAR), 2-David Van Zyl (AFR), 3-Cooper Chapman (AUS), 4-Rafael Teixeira (BRA)

14: 1-Marc Lacomare (FRA), 2-Lucas Silveira (BRA)3-Leandro Usuna (ARG), 4-Dusty Payne (HAV)

15: 1-Evan Valiere (HAV), 2-Barron Mamiya (HAV), 3-Alejo Muniz (BRA)4-Marco Giorgi (URU)

TERCEIRA FASE – entrada dos 32 cabeças de chave já disputando vagas nas oitavas de final:

———3.o=33.o lugar (US$ 1.600 e 1.100 pontos) e 4.o=49.o lugar (US$ 1.300 e 1.000 pontos)

———bateria que fechou a quinta-feira:

1.a: 1-Matt Wilkinson (AUS), 2-Wade Carmichael (AUS), 3-Evan Geiselman (EUA), 4-Luel Felipe (BRA)

———baterias que vão abrir a sexta-feira:

2.a: Caio Ibelli (BRA)Ian Gouveia (BRA)Raoni Monteiro (BRA), Maxime Huscenot (FRA)

4.a: Adriano de Souza (BRA), Keanu Asing (HAV), Davey Cathels (AUS), Miguel Tudela (PER)

5.a: Frederico Morais (PRT), Tomas Hermes (BRA)Bino Lopes (BRA), Logan Bediamol (HAV)

7.a: Miguel Pupo (BRA)Wiggolly Dantas (BRA), Jorgann Couzinet (FRA), Brett Simpson (EUA)

8.a: Stu Kennedy (AUS), Nathan Florence (HAV), Alex Ribeiro (BRA), Makai McNamara (HAV)

9.a: Gabriel Medina (BRA), Joshua Moniz (HAV), Cody Young (HAV), Michael February (AFR)

10: Conner Coffin (EUA), Italo Ferreira (BRA), Noe Mar McGonagle (CRI), Adam Melling (AUS)

11: Sebastian Zietz (HAV), Yago Dora (BRA)Michael Rodrigues (BRA), Vasco Ribeiro (PRT)

12: Adrian Buchan (AUS), Jessé Mendes (BRA), Imaikalani Devault (HAV), Aritz Aranburu (ESP)

13: Kolohe Andino (EUA), Willian Cardoso (BRA), Ramzi Boukhiam (MAR), Lucas Silveira (BRA)

14: Michel Bourez (TAH), Jadson André (BRA), Marc Lacomare (FRA), David Van Zyl (AFR)