Tristeza e saudade na despedida ao surfista Jean da Silva

Surfistas que participam de um campeonato no Havaí farão homenagem para o joinvilense neste domingo. Foto: Arquivo Pessoal

Emoção marca despedida ao surfista Jean da Silva, em Joinville

A tristeza e a saudade dividiam espaço com a perplexidade nas expressões dos presentes na despedida ao surfista Jean da Silva, que morreu nesta sexta-feira, 24 de novembro, em Joinville. O atleta tinha 32 anos e voltara recentemente ao Brasil, depois de um período de viagens. Familiares e amigos do joinvilense se encontraram na capela do Cemitério Municipal, mesmo local onde o corpo de Jean será sepultado na manhã de domingo. A família não comentou a causa da morte com a imprensa.

Publicidade

Jean era conhecido no surfe brasileiro por ter sido o primeiro catarinense a conquistar um título nacional na categoria profissional. Ele venceu o Brasil Surf Pro, em 2010, aos 25 anos. Aurélio Ramos, 53 anos, lembra que o joinvilense viveu uma evolução rápida, que em grande parte pode ser assistida pelos moradores do Litoral Norte de Santa Catarina. Jean tinha sete anos quando ganhou a primeira prancha, de bodyboarding, e começou a surfar na Praia da Picama, em Balneário Barra do Sul.

— Antes dos dez anos, ele já era um surfista. Passou por todas as etapas de evolução enquanto surfista, venceu todas as categorias de base no amador e depois no profissional. Depois do título nacional, correu por circuitos mundiais e chegou bem perto de acessar a primeira divisão — contou Aurélio, que foi chefe de equipe e juiz de competições enquanto Jean era criança e adolescente, o acompanhando em viagens neste período.

Já adulto, Jean representou o Brasil em várias competições de surfe pelo mundo. Entre os destaques estão o 3º lugar no Mundial Pro Júnior, na Austrália, em 2006, mesmo ano em que foi vice-campeão catarinense e levou o WQS 5 estrelas em Fernando de Noronha. Em 2012, foi campeão do ASP World 6 – Star 2012, em Virginia Beach.

Nos últimos três anos, ele dedicava-se ao free surf, vertente em que o atleta deixa de competir regularmente para, sob o patrocínio de uma marca, buscar as melhores ondas pelo mundo enquanto representa seu patrocinador. Com isso, vivia experiências por lugares como Indonésia, Marrocos e Nova Zelândia. Ele as registrava em vídeo e editava, divulgando em um canal da plataforma Vimeo. 

Durante todo o sábado, amigos e surfistas que conviveram com o joinvilense compartilharam mensagens nas redes sociais lamentando a morte do atleta. A notícia também recebeu repercussão em páginas especializadas de outros países. No domingo, surfistas que participam do Vans World Cup of Surfing, a última etapa do World Qualifying Series, em Sunset Beach, no Havaí, farão uma homenagem a Jean.

velório do surfista jean da silva em joinville

Familiares e amigos começaram a chegar para o velório às 16 horas Foto: Cláudia Morriesen / NSC                                                                                                                                                                                                                                                 Fonte clicrbs.com.br