Thais Oliveira comenta carreira no surf competição

Thais Oliveira. Foto Mário Veloso/ surf73

Itacaré: Thais Oliveira faz análise do ano de  competições

Publicidade

A surfista Thais Oliveira, radicada em Itacaré e que representa a surf city nas competições pelo Brasil a fora, está curtindo merecidas férias junto à família, no Pará. Antes da viagem pra casa, porém, a atleta fechou com chave de ouro o ano de campeonatos, ao conquistar o título de campeã da 3ª e última etapa do Circuito Baiano de Surf, o Tablas Surf Pro, realizado há uma semana (16 a 18), na Praia de Jaguaribe, em Salvador. Com o resultado na capital, Thais conseguiu dá um salto no ranking e terminou a temporada como vice-campeã baiana de surf.

Esta semana, Thais falou um pouco sobre o ano que está terminando, fez uma análise geral do seu desempenho em 2016 e traçou ainda algumas projeções para o ano que se aproxima, quando mais uma vez ela estará nas competições.

O título em Salvador

“Estou muito feliz por ter conquistado o meu objetivo. Eu bati na trave várias vezes, tipo, na 1ª etapa fiquei em 2º lugar, na 2ª etapa rodei de cara, nas quartas e agora, graças a Deus, eu consegui ser campeã. As condições do mar me ajudaram bastante. Nas outras etapas o mar não estava tão bom, mas agora estava favorável e consegui encaixar minhas manobras”, analisou Thaís, completando. “Quero agradecer muito à família do (atleta profissional) Ives Lopes, que sempre me acolheu em sua casa, em Salvador e me ajudam muito”, destacou.

A gratidão a Itacaré

“Estou muito feliz mesmo e só tenho a agradecer aos meus apoiadores, à família surf de Itacaré, que me abraçou, me acolheu e quero dizer que eu carrego o nome de Itacaré com muito orgulho porque lá que as portas se abriram pra mim. Ali que eu consegui evoluir no surf. Então quero agradecer aos nativos da Tiririca, a galera local. Os caras são muito parceiros comigo, me ajudam muito nos meus treinos, me dá todo o apoio e me ensina muito todos os dias. Sou muito grata a cada um deles”, pontuou Thais.

A avaliação de 2016

“Esse ano foi muito bom pra mim. Tive bons resultados, fiz finais em quase todos os eventos que participei e só não estive no pódio em duas competições: a 2ª etapa do Baiano e o Brasileiro Profissional, em Ubatuba (SP). Foi um ano de muito aprendizado, em que eu conheci muita gente legal e que acrescentaram muito em minha vida. 2016 é um ano que ficará marcado, pois foi quando eu tive a oportunidade de fazer o meu surf evoluir e pude me dedicar mais intensamente às competições. Um ano inesquecível”, afirmou.

 

A expectativa para 2017

“Para o ano que se aproxima as expectativas são muitas, mas eu dependo dos meus apoios e estou correndo atrás, porque não tenho patrocínio. Pretendo correr todas as etapas do Brasileiro Amador, em 2017, também correr a etapa do Brasileiro Profissional e todo o Circuito Baiano. Para concretizar isso, estou buscando apoio e patrocínio, mas independente de qualquer coisa, estarei surfando e treinando todos os dias, com o mesmo objetivo de sempre, que é chegar às finais e conseguir representar Itacaré à altura que essa cidade merece”, observou Thais.

Agradecendo aos apoiadores

“Deus tem me abençoado muito, colocando pessoas boas em meu caminho para fortalecer sempre. Os meus apoiadores são pessoas que se tornaram amigas mesmo, que fazem um papel muito importante na minha carreira como apoiadores e até um papel familiar, de pai mesmo. Sou muito grata ao Vitor (Rollin) e a Tarek (Roveran), que estão me ajudando muito e também à Tia Dora, de Itacaré, que foi a pessoa que me acolheu em sua casa e me trata como se eu fosse sua filha. Com certeza, se não tivesse essas pessoas na minha vida, eu na teria chegado onde estou, porque as dificuldades são muitas, mas as pessoas têm muito boa vontade de me ajudar, me acolher e eu me sinto segura com isso”, observou.

Time que fortalece

Atualmente, Thais tem o apoio da Clínica do Surf, do Instituto A Prancha do Campeão, das pranchas Index Krown, The Surfs Cool, Lakini Biquines, Cana Caiana Praiana, SDA Surf, MS

surf73.com.br

Thais Oliveira. Foto Mário Veloso/ surf73