Surf Lakes no Brasil

BRASIL PODE RECEBER PISCINA DE ONDAS DO SURF LAKES

Grupo anuncia que até seis unidades do Surf Lakes podem começar com obras em 2019 e abrir oficialmente em 2020. Uma delas seria em algum lugar do Brasil

grupo Surf Lakes, responsável pela tecnologia empregada na piscina de ondas recém-testada em Yeppoon, na Austrália, pretende expandir seus negócios globalmente. A empresa afirma que recebeu de diversos lugares do mundo cartas de intenção de construção de uma unidade da piscina de ondas, sendo que seis delas já estariam em posição avançada para aprovação da licença e início das obras: duas nos Estados Unidos, mais uma na Austrália, na Espanha, na Inglaterra e no Brasil.

Publicidade

“Houve mais de duzentos contatos em busca de informação sobre como adquirir uma licença da Surf Lakes e ao menos seis destes contatos estão se posicionando para começar a construção em 2019 visando a abertura para uso comercial de surf parks com a tecnologia 5 waves em 2020″, afirma o comunicado emitido pela empresa nesta semana.

As informações a respeito de uma possível piscina do Surf Lakes no Brasil param por aí. O comunicado não diz em qual região do país o grupo que manifestou interesse em licenciar a piscina pretende construí-la, ou sequer se há alguma região específica em questão.

No caso dos Estados Unidos, o grupo afirma que uma piscina ficará na Califórnia e a outra no Arizona. Já o grupo britânico interessado pretende construir sua unidade em Londres.

Também não há, ainda, maiores informações sobre o modelo de comercialização do acesso à piscina. A própria unidade australiana do Surf Lakes ainda não está oficialmente aberta ao público e não há informações sobre os valores de um ingresso.

Anunciada no começo do ano como uma piscina que proporcionaria até 2400 ondas por hora, em oito picos diferentes e sendo um deles com uma sessão tubular de até oito pés, a Surf Lakes revelou no final de outubro a primeira versão pronta da piscina, com um resultado um pouco diferente. São cinco picos, por enquanto, e o maior dele com não mais que um metro de onda. Ainda assim, toda a tecnologia é impressionante. Segundo a imprensa australiana, na época dos primeiros testes, o modelo exibido foi testado com apenas 40% da capacidade do sistema.

Fonte hardcore.com.br