Ryan Callinan vence o QS 10000 de Portugal

Ryan Callinan (AUS) Winner of the EDP Billabong Pro Ericeira 2018
Ryan Callinan. Foto: @WSL / Poullenot

Australiano barra brasileiros e vence o QS 10000 de Portugal

By João Carvalho 

O australiano Ryan Callinan deixou os brasileiros pelo caminho da sua vitória no QS 10000 EDP Billabong Pro Ericeira neste sábado na Praia Ribeira D´Ilhas, em Portugal. Antes de bater o japonês Kanoa Igarashi na decisão do título, ele barrou o campeão mundial Gabriel Medina nas semifinais, depois de passar pelo também paulista Deivid Silva nas quartas de final. Já o peruano Alonso Correa ficou nas oitavas e os dois finalistas assumiram a dianteira no ranking do WSL Qualifying Series, com Kanoa na frente e o campeão em segundo lugar. Esta foi a última etapa com pontuação máxima antes dos dois QS 10000 da Tríplice Coroa Havaiana.

Ryan Callinan (Foto: @WSL / Poullenot)

“É com isso que sempre sonhamos né”, disse Ryan Callinan. “Pegar essa última onda num momento decisivo foi incrível e estou impressionado com as ondas aqui. Este é um grande passo para conseguir meu objetivo e estou muito emocionado. Este ano tem sido demais pra mim. Eu nunca tinha vencido um evento antes e esta é minha segunda vitória na temporada. Eu me senti em casa aqui, deu boas ondas todos os dias e foi tudo fantástico para mim”.

Publicidade

A decisão do título teve um início meio lento, mas a disputa esquentou depois com os dois surfistas achando boas ondas para mostrarem o seu surfe no pointbreak de direitas de Ribeira D´Ilhas. O japonês Kanoa Igarashi ganhou a maior nota da bateria, 8,17, mas na soma das duas ondas computadas, o 7,30 e 7,83 recebidos nas últimas ondas de Ryan Callinan, garantiram a vantagem do australiano por 15,13 a 14,94 pontos. Com os 10.000 pontos da vitória, Callinan saiu da penúltima posição na lista dos dez indicados pelo WSL Qualifying Series para a elite do Championship Tour, para o segundo lugar no ranking que passou a ser liderado por Kanoa Igarashi.

Kanoa Igarashi (Foto: @WSL / Poullenot)

“Estou sentindo que finalmente tenho conseguido surfar como eu quero”, disse Kanoa Igarashi. “Este é um ano que eu queria provar para mim mesmo que poderia surfar melhor, então espero que continue assim. Quando o Ryan (Callinan) bateu o Gabriel (Medina), eu sabia que teria que fazer o meu melhor surfe para ganhar dele. Mas, infelizmente, eu não consegui encontrar as ondas que eu precisava para isso. Mesmo assim, estou feliz pelo desempenho e o segundo lugar também é um resultado excelente”.

BRASILEIROS BARRADOS – No caminho até a grande final, o campeão Ryan Callinan barrou os dois únicos brasileiros que chegaram no último dia do QS 10000 EDP Billabong Pro Ericeira. A primeira vítima foi o paulista Deivid Silva, que chegou em antepenúltimo lugar no G-10 e perdeu esse confronto direto com o australiano que estava em penúltimo. Foi uma bateria fraca de ondas, encerrada com um baixo placar de 9,50 a 8,06 pontos. Mesmo com a derrota em quinto lugar, Deivid Silva já havia saltado da rabeira da lista para o sexto lugar no ranking.

Deivid Silva (Foto: @WSL / Poullenot)

Gabriel Medina entrou na disputa seguinte e o campeão mundial teve trabalho para vencer a melhor bateria do sábado, pois Ribeira D´Ilhas bombou altas ondas no segundo duelo Brasil x Austrália do dia. Ele detonou uma direita com uma série interminável de manobras modernas e progressivas para ganhar nota 9,07, que somou com o 7,83 que já havia recebido, para totalizar 16,90 pontos. O australiano Ethan Ewing ainda conseguiu a maior nota do campeonato – 9,43 – mas só atingiu 15,66 pontos com ela e Medina seguiu para as semifinais.

A irregularidade do mar voltou a prejudicar o terceiro confronto Brasil x Austrália do sábado. Ryan Callinan teve mais sorte de pegar uma onda melhor no início que valeu nota 7,00. Depois, ganhou um 5,17 para vencer por uma pequena vantagem de 12,17 a 11,97 pontos. Medina ganhou notas 6,10 e 5,87 nas duas primeiras que surfou e depois não conseguiu aumentar o placar, só completando mais uma onda até o fim que recebeu 5,77.

Gabriel Medina (Foto: @WSL / Poullenot)

Agora, o campeão mundial muda o foco para a reta final do World Surf League Championship Tour. Ele venceu as duas últimas etapas e vai defender o título nas duas da “perna europeia” que começa nesta semana, pois foi o campeão do Quiksilver Pro France e também do MEO Rip Curl Pro Portugal no ano passado. A expectativa é grande para a conquista do terceiro título mundial do Brasil esse ano, com a grande vantagem que o líder Filipe Toledo e Medina já abriram do australiano Julian Wilson e do potiguar Italo Ferreira.

MUDANÇAS NO G-10 – Quem também competiu no último dia do QS 10000 EDP Billabong Pro Ericeira foi o peruano Alonso Correa. Ele entrou na segunda bateria do sábado para disputar a sexta oitava de final e não conseguiu achar boas ondas contra o italiano Leonardo Fioravanti, que venceu fácil por 15,33 a 9,73 pontos. Mesmo assim, o nono lugar em Portugal foi um bom resultado, que levou Alonso Correa da 82.a para a 39.a posição no ranking, passando a ser peruano mais bem colocado no WSL Qualifying Series 2018.

Alonso Correa (Foto: @WSL / Poullenot)

Na batalha pelas dez vagas que vão completar a elite dos top-34 da World Surf League em 2019, o resultado do QS 10000 de Portugal provocou duas mudanças de nomes. Leonardo Fioravanti e Ethan Ewing tiraram dois australianos da lista, Jack Freestone e Reef Heazlewood. O Brasil permanece com quatro surfistas no G-10, o paranaense Peterson Crisanto que caiu do segundo para o quinto lugar no ranking, o paulista Deivid Silva que subiu de 11.o para sexto, o potiguar Jadson André que desceu de quinto para sétimo e o catarinense Alejo Muniz que despencou da sexta para a décima posição.

O atual campeão sul-americano da WSL South America, Thiago Camarão, estava na porta de entrada do G-10 seguido pelos também paulistas Alex Ribeiro e Miguel Pupo e os três caíram no ranking. Camarão foi do 14.o para o 19.o lugar na classificação das cinquenta etapas completadas em Portugal. O WSL Qualifying Series tem agora um QS 3000 acontecendo nas Filipinas até o dia 7 de outubro, depois vem as etapas da “perna sul-americana” de fim de ano da WSL South America.

Ryan Callinan (Foto: @WSL / Poullenot)

PERNA SUL-AMERICANA – A primeira será o QS 1000 Itacaré Surf Music nos dias 16 a 21 de outubro na Praia da Tiririca, em Itacaré, na Bahia. A segunda acontece na semana seguinte, o QS 1500 Reef Pro Peñascal San Bartolo de 25 a 28 de outubro no Peru, também com uma prova combinada para homens e mulheres como na Bahia. Depois, o QS 3000 Red Nose São Sebastião Pro fecha o calendário masculino da WSL South America, decidindo o campeão sul-americano da temporada nos dias 30 de outubro a 4 de novembro na badalada Praia de Maresias, no litoral norte de São Paulo.

Mais informações, notícias, fotos, vídeos e todos os resultados do QS 10000 EDP Billabong Pro Ericeira podem ser acessadas na página do evento no www.worldsurfleague.com

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A World Surf League (WSL) tem como objetivo celebrar o melhor surfe do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão.

A WSL vem realizando os melhores campeonatos do mundo desde 1976, realizando mais de 180 eventos globais que definem os campeões mundiais masculino e feminino no Championship Tour, além do Big Wave Tour, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, bem como o WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, promovendo a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis, para coroar os campeões de todas as divisões do Circuito Mundial.

Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis WSL app. A WSL tem uma enorme legião de fãs apaixonados pelo surf em todo o mundo, que acompanham ao vivo as apresentações de grandes estrelas, como Tyler Wright, John John Florence, Paige Alms, Kai Lenny, Taylor Jensen, Honolua Blomfield, Mick Fanning, Stephanie Gilmore, Kelly Slater, Carissa Moore, Gabriel Medina, Courtney Conlogue, entre outros, competindo no campo de jogo mais imprevisível e dinâmico entre todos os esportes no mundo.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com.

—————————————————————-

João Carvalho – WSL South America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

—————————————————————-

RESULTADOS DO ÚLTIMO DIA DO QS 10000 DE PORTUGAL:

Campeão: Ryan Callinan (AUS) por 15,13 pontos (7,83+7,30) – US$ 40.000 e 10.000 pontos

Vice-campeão: Kanoa Igarashi (JPN) com 14,94 pts (8,17+6,77) – US$ 20.000 e 8.000 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com 6.500 pontos e US$ 11.000:

1.a: Ryan Callinan (AUS) 12.17 x 11.97 Gabriel Medina (BRA)

2.a: Kanoa Igarashi (JPN) 13.90 x 13.37 Tanner Hendrickson (HAV)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com 5.200 pontos e US$ 7.000:

1.a: Ryan Callinan (AUS) 9.50 x 8.06 Deivid Silva (BRA)

2.a: Gabriel Medina (BRA) 16.90 x 15.66 Ethan Ewing (AUS)

3.a: Kanoa Igarashi (JPN) 14.90 x 14.47 Leonardo Fioravanti (ITA)

4.a: Tanner Hendrickson (HAV) 10.50 x 3.87 Jake Marshall (EUA)

OITAVAS DE FINAL – 9.o lugar com 3.700 pontos e US$ 4.300 de prêmio:

———baterias que abriram o sábado:

5.a: Kanoa Igarashi (EUA) 13.90 x 11.23 Soli Bailey (AUS)

6.a: Leonardo Fioravanti (ITA) 15.33 x 9.73 Alonso Correa (PER)

7.a: Tanner Hendrickson (HAV) 11.36 x 9.60 Frederico Morais (PRT)

8.a: Jake Marshall (EUA) 12.77 x 10.00 Patrick Gudauskas (EUA)

———baterias que fecharam a sexta-feira:

1.a: Deivid Silva (BRA) 15.16 x 12.40 Griffin Colapinto (EUA)

2.a: Ryan Callinan (AUS) 11.77 x 9.20 Ricardo Christie (NZL)

3.a: Ethan Ewing (AUS) 13.63 x 13.43 Bino Lopes (BRA)

4.a: Gabriel Medina (BRA) 16.46 x 15.43 Joan Duru (FRA)

G-10 DO WSL QUALIFYING SERIES – após 50 etapas em 20 países:

1.o: Kanoa Igarashi (JPN) – 24.750 pontos e top-22 do CT

2.o: Ryan Callinan (AUS) – 19.360

3.o: Griffin Colapinto (EUA) – 18.650 e top-22 do CT

4.o: Seth Moniz (HAV) – 17.750

5.o: Peterson Crisanto (BRA) – 17.600

6.o: Deivid Silva (BRA) – 14.450

7.o: Jadson André (BRA) – 14.160

8.o: Jorgann Couzinet (FRA) – 13.660

9.o: Ethan Ewing (AUS) – 12.730

10: Alejo Muniz (BRA) – 12.710

11: Leonardo Fioravanti (ITA) – 12.560

12: Mikey Wright (AUS) – 12.405 e top-22 do CT

13: Evan Geiselman (EUA) – 12.210

——–próximos sul-americanos até 100:

19: Thiago Camarão (BRA) – 9.190 pontos

21: Michael Rodrigues (BRA) – 9.100

22: Alex Ribeiro (BRA) – 9.000

23: Miguel Pupo (BRA) – 8.920

28: Bino Lopes (BRA) – 8.110

29: Weslley Dantas (BRA) – 8.085

39: Alonso Correa (PER) – 7.285

42: Yago Dora (BRA) – 6.900

44: Lucca Mesinas (PER) – 6.780

47: Gabriel Medina (BRA) – 6.500

50: Marco Fernandez (BRA) – 6.240

52: Jessé Mendes (BRA) – 6.100

53: Flavio Nakagima (BRA) – 6.090

57: Krystian Kymerson (BRA) – 5.990

63: Victor Bernardo (BRA) – 5.720

66: Mateus Herdy (BRA) – 5.600

68: Miguel Tudela (PER) – 5.460

69: Ian Gouveia (BRA) – 5.450

70: Jeronimo Vargas (BRA) – 5.330

72: Italo Ferreira (BRA) – 5.200

76: Willian Cardoso (BRA) – 5.150

78: Wiggolly Dantas (BRA) – 4.850