Rodrigo Koxa concorre ao Big Wave Awards com onda de 90 pés

Rodrigo Koxa se supera ao dropar onda gigante com cerca de 27 metros de altura. Foto Divulgação FMA Notícias

Rodrigo Koxa surfa a maior onda da temporada, concorre a prêmio máximo da modalidade e ‘ameaça’ recorde mundial de ícone Garrett McNamara

Publicidade

SURFISTA DE GUARUJÁ DROPOU UMA MONTANHA DE ÁGUA EM NAZARÉ, QUE PODE TER SIDO A MAIOR DE TODOS OS TEMPOS JÁ REGISTRADA

Habituado a desafiar a natureza de forma radical, o big rider paulista Rodrigo Koxa se superou. No último dia 8, num swell histórico em Nazaré, Portugal, a “meca” das ondas gigantes, o experiente surfista de 38 anos dropou uma ‘montanha de água’, estimada em incríveis 85 a 90 pés de altura (cerca de 25 a 27 metros). Alguns especialistas do segmento já chegaram a falar em redes sociais em impressionantes 100 pés.

O feito foi reconhecido pelo ícone e um dos maiores conhecedores das ondas de Nazaré, Garrett McNamara, e também aparece como grande favorita ao prêmio máximo da modalidade, o WSL Big Wave Awards, conhecido como XXL, o ‘oscar” do big waves, dando ainda mais credibilidade. De quebra, Koxa ameaça o recorde mundial de McNamara, hoje de 78 pés, justamente o seu ídolo e inspiração para enfrentar desafios como este.

Se o tamanho for oficializado, Koxa entrará para o Guiness Book, o livro dos recordes, por sua corajosa façanha. “Esperei a vida toda por uma onda assim. Sempre foi meu sonho surfar essa onda e parecia até que eu sentia que ela estava por vir nessa viagem”, vibrou.

“Na noite anterior, eu estava aparentemente calmo, mas minha mente estava muito inquieta, falando para mim mesmo o tempo todo: a onda vai vir! E quando vier, você vai botar para baixo, porque fez isso a vida inteira… e quando vier, você vai surfa-la. Esta fala ficava como um mantra em minha mente”, revelou.

Mais do que dropar a onda gigantesca, Rodrigo Koxa desceu reto, o que valoriza ainda mais a iniciativa. “No momento em que eu e o Serginho, meu parceiro português, vimos a onda, já sabíamos que ela era realmente gigante. Nesta hora ele gritou: é a bomba. Quer ir? E eu respondi: go, go, go! Quando soltei a corda, percebi que era uma montanha e minha adrenalina que já estava muito alta, subiu ainda mais e, rapidamente, percebi que se tratava de muita velocidade e não poderia cair”, lembrou.

“Mas a parte animal foi perceber a linha de surf que eu precisava fazer e acreditar que eu poderia mesmo descer a onda reto, buscando aproveitá-la ao máximo, ao invés de sair para o lado, o que geralmente acontece. Também foi assustador, porque a prancha ganhou velocidade e quase caí, mas acreditei na linha de descer reto. Meu sentimento foi de uma flecha dropando a onda toda. Depois foi só comemorar e agradecer”, vibrou o sempre sorridente Koxa.

Ao terminar a onda, o sentimento de êxtase se misturou com gratidão, inclusive por sua equipe envolvida no projeto, sobretudo Sergio Cosme, como piloto, o também português Antonio Silva, seu segundo resgate (back up), que o convidou a primeira vez para Nazaré, o norte-americano David Langer, Joana Andrade e Carlos Eduardo. Ele também mencionou sua esposa e companheira diária de projetos e sonhos, Aline Cacozzi. “Yeahhhh. Senti muita euforia e principalmente muita, mas muita gratidão”, falou.

“Assim que subi no jet ski comecei a gritar, agradecendo muito aquele lugar, demais à Nossa Senhora de Nazaré e todos os anjos e protetores que nos rodeiam. Eu era só amor, alegria e gratidão. Senti que finalmente havia me superado, depois do dramático capítulo que vivi em 2014”, revelou, lembrando o momento que chegou a correr risco de vida na mesma Nazaré.

PRANCHA ESPECIAL – Para enfrentar o desafio de Nazaré, Koxa fez toda uma preparação especial – física, psicológica e, claro, de equipamentos. A prancha usada para o drope histórico contou com um sistema de amortecedor especial e foi projetada por ninguém menos que Garret McNamara, junto com Hugo Cartaxana da SPO. “A suspensão é baseada na prancha obter dois tipos de flexibilidade. Do pé da frente para a rabeta ela é rígida, muito dura, o que permite velocidade na onda”, explicou.

“Já a parte que está fora de água, que seria do pé da frente até o bico é bem mais flexível, inclusive esta área não tem longarina de madeira. A pracha tem 10,5 quilos, é triquilha e por eu estar habituado desde 2015, faz toda a diferença para eu me sentir mais confiante”, complementou Rodrigo Koxa, que tem os patrocínios de KoxaBOMB, Tent Beach, Travel Ace Assistance, Bully’s, Akiwas, Silver Surf, SPO, Delírio Natural, Tomihama Sushi e Flex Academia Guarujá.

Nascido em Jundiaí, no interior de SP, Koxa aprendeu a surfar aos oito anos em Guarujá. Aos 15 anos, decidiu o que queria fazer, enfrentar as ondas grandes, durante uma viagem a Puerto Escondido, no México. No início do surf, se inspirou em Dadá Figueiredo e agora, seu ídolo nas ondas gigantes é Garrett McNamara. “Eu era muito fã do Dadá. Surfista punk rock brasileiro. Minha primeira prancha shapeada para mim tinha a mesma cruz de malta estampada na dele”, recordou.

“O Garrett é um visionário, um cara que viveu a vida buscando as maiores ondas do Mundo, tanto que desbravou a maior de todas elas, Nazaré”, ressaltou o surfista, que agora aguarda o resultado do Prêmio WSL Big Wave. O prazo para inscrever ondas gigantes é o dia 20 de março. Desde 2011, Rodrigo Koxa concorre a oscar das ondas grandes e já fez finais em 2011 e 2012.

“Se vencer, realizarei o meu maior sonho como atleta profissional, big rider. Acredito, também, pela minha experiência, que existe uma chance enorme de quebra do recorde. Apenas as ondas vencedoras do XXL são medidas e somente em abril, no dia da festa da premiação, a WSL divulgará o tamanho das maiores ondas do ano e, sinceramente, espero que seja a minha”, completou.

Fotos Raphael Alvim e Hélio Antonio

Por Fábio Maradei/ FMA Notícias

Galeria de Imagens