Rio Grande do Norte, o paraíso das Urcas

Eduardo Fernandes- Urca 2018. Foto Clemente Coutinho

Seguindo as previsões que indicavam um poderoso swell de Norte-Noroeste com período de 16 a 20 segundos, os atletas legends do Seaway Team, Eduardo Fernandes e Paulo Moura, partiram em busca das ondas oceânicas que quebram nas bancadas das Urcas potiguares com expectativa de pegar ondas “havaianas” em pleno Oceano Atlântico. 

Ao amanhecer do Sábado era hora de preparar todos os equipamentos e começar a navegação mar adentro. Como essa previsão estava sendo muito falada por várias pessoas nas redes sociais, Rato e Paulo já sabiam que a Urca do Minhoto, a bancada mais conhecida, estaria com muito crowd, então tiveram a ideia de explorar outras Urcas.

Eduardo Fernandes e Paulo Moura – Urca 2018. Foto: Clemente Coutinho.
Publicidade

Ao chegarem nesta nova Urca ainda inexplorada, no Sábado, Rato, Paulo e equipe se depararam com uma direita grande e perfeita quebrando no meio do oceano e sem ninguém. Foi o tiro certeiro, pois a bancada recebeu a mesma ondulação e estava sem crowd, o fotógrafo Clemente Coutinho registrou toda a sessão, que foi composta por, além de Rato e Paulo, os surfistas Rogério Soares e Alexandre Ferraz, que revezaram as puxadas de tow-in e também surfaram na remada.

Eduardo Fernandes dropando a morra da Urca. Foto: Clemente Coutinho.
Paulo Moura – Urca 2018. Foto: Clemente Coutinho.

No Domingo a previsão mostrava uma perda de energia do swell e a equipe decidiu dessa vez ir à Urca do Minhoto, a mais conhecida das Urcas, e tiveram uma feliz surpresa ao chegarem na bancada e verem que ainda tinhas altas ondas quebrando sozinhas.

Eduardo Fernandes cavando na bomba. Urca 2018. Foto: Clemente Coutinho

Por seaway.com.br