Resort de Trump na Irlanda desiste de quebra-mar

Após protestos e de ter falhado em assegurar as devidas aprovações, o Trump Golf Resort, em Doughmore Beach, na Irlanda, não vai ter mais um quebra-mar. Ainda assim, eles irão instalar duas seções separadas de folhas de metal amparadas por pilastras, que irão ajudar na contenção da erosão. Foto: Save the Waves Coalition

Proposta de barreira oceânica para a praia de Doughmore foi modificada devido a preocupação ambiental.

Publicidade

Donald Trump ganhou a guerra pela Casa Branca contra sua oponente,Hilary Clinton, mas o presidente eleito dos Estados Unidos recentemente perdeu uma outra batalha, embora muito menor. Depois de anunciar planos para a construção de um quebra-mar no oeste da Irlanda, o Trump Golf Resort rescindiu a proposta, para o deleite dos ambientalistas.

“Este é um exemplo raro e inspirador de muitas pessoas trabalhando juntas para superar as probabilidades”, disse Nick Mucha, diretor da Save The Waves Coalition, crítico enfático da estrutura que coletou mais de 100 mil assinaturas em protesto. “A decisão de Trump de se afastar da proposta do quebra-mar é um grande marco … No entanto, nosso trabalho continua pois devemos analisar a próxima série de propostas e garantir que não representam qualquer risco para os recursos costeiros únicos de Doughmore Beach”.

O quebra-mar planejado para o Irish Trump Golf Resort teria 2,8 quilômetros de comprimento, com 15 metros de altura, e seria erguido com 200 mil toneladas de rocha. A justificativa por trás da muralha era combater os danos do nível do mar subindo no campo de golfe de 18 buracos do resort, enquanto os oponentes alegavam que iria destruir a praia pública e as ondas. Desde a aquisição do campo de golfe em 2014, o resort Trump foi atingido por uma série de tempestades que causaram a erosão de muitos metros de sua área de frente para a praia, daí o desejo de um paredão no mar. Mas agora, um novo plano foi concebido – e os funcionários do campo de golfe citam uma motivação diferente para a modificação, apesar dos protestos.”A razão simples para essas mudanças é o tempo”, disse Joe Russell, gerente geral do resort. “A proposta original ia demorar demais para ser aprovada, eu não tenho esse tempo. Tenho o Oceano Atlântico vindo para cima de mim”.

Em vez do muro, o Trump International Golf Links (TIGL) divulgou uma proposta alternativa para o resort de Doughmore Beach, que inclui a instalação de chapas de metal com uma armadura de rocha à frente que serão enterradas sob a areia. Ao contrário dos quase 3 quilômetros de pedras, as duas estruturas substitutas irão abranger 650 metros na extremidade sul da praia e 250 m na extremidade norte.

E ainda que o quebra-mar tenha sido abandonado, a controvérsia no Trump’s Ireland Golf Resort continua. Os oponentes do desenvolvimento da praia, como a Save The Waves Coalition, que tem a beleza natural dramática da área em grande consideração, permanecem céticos sobre os planos de uma construção reduzida. Doughmore é um dos raros picos de surf na região com areia. E isso torna o lugar acolhedor em meio a um litoral de ondas de laje, monstruosas, assustadoras, escuras e traiçoeiras. Mas o fundo macio também significa que as tempestades afetam a costa, deixando alguns moradores preocupados com possiblidade de destruição.

O agricultor de Doonbeg John Flanagan disse ao Irish Times que o muro seria “um presente” para a comunidade. Flanagan continuou: “São os habitantes locais que enfrentam a ameaça da erosão costeira e é o povo local quem deve ser ouvido – não as pessoas … que não estão em perigo de serem carregados pelo mar. Estas pessoas estão dizendo ‘Salve Doughmore’ e ‘Proteja Doughmore’ – eles nem sabem onde Doughmore está no mapa.”

A tempestade em fevereiro de 2014, que levou o Trump Golf Resort a propor um quebra-mar, foi chamada de a pior tempestade na costa oeste da Irlanda desde 1839. Eventos catastróficos como este oferecem validade conflitante para ambos os lados da muralha desconstruída – aqueles que querem preservar o cenário natural e aqueles que vivem e trabalham na costa, incluindo mais de 200 funcionários do campo de golfe do Trump. E, por enquanto, até pelo menos a próxima tempestade, essa barreira entre terra e mar, opositores e defensores, permanecerá apenas imaginaria.

Fonte surfline.com