Quatro brasileiros chegam as oitavas de final no US Open

Filipe Toledo of Brazil placed first in Heat 4 of Round Four and advanced ino Round Five at The VANS US Open of Surfing in Huntington Beach, CA, USA
Filipe Toledo (Foto: Sean Rowland – WSL)
By João Carvalho

Filipe Toledo segue invicto no QS 10000 Vans US Open of Surfing, sem perder nenhuma bateria nas ondas de Huntington Beach, desde o título conquistado no ano passado no famoso píer da Califórnia. Ele também foi campeão desta etapa em 2014, vencendo uma final verde-amarela com Willian Cardoso no maior palco do surfe nos Estados Unidos. Filipe ganhou outra bateria na sexta-feira e mais três brasileiros passaram para as oitavas de final que serão disputadas neste sábado, os potiguares Italo Ferreira e Jadson André e o catarinense Tomas Hermes.

O primeiro a disputar classificação foi o catarinense Alejo Muniz, mas o australiano Stuart Kennedy e o neozelandês Ricardo Christie surfaram as melhores ondas que entraram  na sua bateria da quarta fase. Alejo entraria no grupo dos dez indicados pelo WSL Qualifying Series para a elite dos top-34 da World Surf League se passasse essa bateria, mas quem venceu foi Stu Kennedy por 13,17 pontos e Christie ficou em segundo com 13,07. O catarinense só conseguiu 11,73 e continua fora da lista, mas está próximo do G-10 com mais um bom resultado na busca para recuperar a vaga no CT perdida no ano passado.

Publicidade

Filipe Toledo entrou duas baterias depois e o australiano Josh Kerr largou na frente, acertando dois aéreos na primeira onda, um de backside mais alto no outside e um de frontside na direita que formou no inside. Os juízes deram nota 9 para ele. Foi também numa direita que Filipe voou num giro no ar para tirar 7,33 em sua primeira apresentação. Não entraram muitas ondas boas para os três competidores, mas Filipe aproveitou bem a outra chance que teve para somar 6,93 e o australiano só conseguiu 4,67. A invencibilidade foi mantida por 14,26 a 13,67 pontos de Josh Kerr e apenas 5,80 do americano Nat Young, com Filipe logo sendo cercado pelo público quando saiu do mar em Huntington Beach.

“A parte divertida em ser um surfista profissional são os fãs e especialmente aqui em Huntington, em um dos maiores eventos esportivos da América do Norte”, disse Filipe Toledo, campeão do US Open em 2014 e 2016. “Competir contra o Josh (Kerr) e o Nat Young é muito difícil e o Josh já começou com um 9,0 na primeira onda. Eu procurei manter minha estratégia e estou feliz por ter funcionado bem. Estou me sentindo mais confiante a cada bateria e agora vem o homem a homem, que acho melhor. Espero que tenha boas ondas no fim de semana”.

Jadson Andre (Foto: Kenneth Morris – WSL)

O próximo brasileiro a disputar vaga foi o potiguar Jadson André, que competiu duas vezes na sexta-feira em Huntington Beach. Ele entrou na primeira bateria do dia junto com o paulista Caio Ibelli e estreou com vitória no US Open, mas o havaiano Dusty Payne impediu a dobradinha brasileira e passou em segundo lugar. Jadson precisa de bons resultados para se manter na elite dos top-34 pelo G-10 do QS, pois está fora do grupo dos 22 primeiros do CT que são mantidos para o ano que vem.

Ele garantiu sua passagem para as oitavas de final na última onda que surfou na sexta bateria da quarta fase. Com a nota 6,23, superou o australiano Connor O´Leary por 11,56 a 10,17 pontos. O sul-africano Michael February passou em primeiro com 12,04 e já aparece em segundo no ranking do QS, ultrapassando os brasileiros Willian Cardoso e Yago Dora. Quem também já fez isso foi Griffin Colapinto, na bateria norte-americana com os irmãos Patrick e Tanner Gudauskas, subindo do sétimo para o terceiro lugar com a classificação.

Tomas Hermes (Foto: Kenneth Morris – WSL)

As duas últimas vagas para as oitavas de final foram disputadas num confronto luso-brasileiro e deu dobradinha verde-amarela contra o português Frederico Morais. Nessa bateria, entraram mais ondas com potencial para fazer manobras de borda e formando boas rampas para os aéreos. O catarinense Tomas Hermes confirmou a vitória contra os dois tops da elite mundial com uma nota 8,50 em sua última onda, fazendo o maior placar do dia, 14,83 pontos. O potiguar Italo Ferreira passou em segundo com 13,23 e Frederico Morais foi eliminado em 17.o lugar no US Open com 11,10 pontos nas duas ondas computadas.

“Eu realmente tento não pensar com quem estou competindo, só em fazer o meu melhor nas ondas”, disse Tomas Hermes. ”Depois da lesão no pé que tive no ano passado, voltei totalmente diferente. Minha esposa é uma das pessoas mais importantes da minha vida. Ela é a minha melhor amiga, minha treinadora, sempre tão concentrada e que me ajuda a me concentrar muito mais também. É uma combinação perfeita e me deixa mais confiante para competir, então estou realmente feliz”.

Italo Ferreira (Foto: Kenneth Morris – WSL)

OITAVAS DE FINAL – Os brasileiros são maioria entre os dezesseis finalistas, com o mesmo número de quatro surfistas da Austrália, contra três dos Estados Unidos e um do Havaí, um da África do Sul, um do Japão, um da Nova Zelândia e um da Costa Rica. Os quatro australianos estão na chave de cima do evento, que vai apontar o primeiro finalista do US Open 2017. Um deles será o adversário de Filipe na quarta bateria, Davey Cathels. Os outros três brasileiros estão na chave de baixo.

O natalense Jadson André enfrenta o costa-ricense Carlos Muñoz na quinta bateria. Depois, serão dois confrontos diretos Brasil x Estados Unidos para definir os últimos classificados para as quartas de final. O também potiguar Italo Ferreira, de Baía Formosa, está na penúltima bateria com Patrick Gudauskas. E o catarinense Tomas Hermes na última, com Griffin Colapinto, um dos integrantes do grupo dos dez que estão se classificando para o CT 2018.

Patrick Gudauskas (Foto: Kenneth Morris – WSL)

LÍDER DO RANKING – Quem também competiu na sexta-feira foi o líder do WSL Qualifying Series, Jessé Mendes, que já garantiu sua vaga para o ano que vem. Ele foi um dos cinco brasileiros que disputaram as quatro últimas baterias da terceira fase, que abriram o dia em Huntington Beach. Dois entraram na primeira e só Jadson André avançou com vitória. Já Caio Ibelli perdeu a briga pela segunda vaga para o havaiano Dusty Payne.

No segundo confronto do dia, Tomas Hermes superou o francês Maxime Huscenot e o australiano Mitch Crews para passar atrás do norte-americano Griffin Colapinto. Jessé Mendes entrou na disputa seguinte e não achou as ondas na bateria que classificou o americano Patrick Gudauskas e o português Frederico Morais. Já o potiguar Italo Ferreira fechou a terceira fase com vitória e o irmão de Patrick, Tanner Gudauskas, ganhou a última vaga para a rodada classificatória para as oitavas de final, eliminando o uruguaio Marco Giorgi.

O Vans US Open of Surfing está sendo transmitido ao vivo de Huntington Beach pelo www.worldsurfleague.com

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A World Surf League (WSL), antes denominada Association of Surfing Professionals (ASP), tem como objetivo celebrar o melhor surf do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão.

A WSL vem realizando os melhores campeonatos do mundo desde 1976, promovendo os eventos que definem os campeões mundiais masculino e feminino no Championship Tour, além do Big Wave Tour, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, bem como o WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, promovendo a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis, para coroar os campeões de todas as divisões do Circuito Mundial.

Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis WSL app. A WSL tem uma enorme legião de fãs apaixonados pelo surf em todo o mundo, que acompanham ao vivo as apresentações de grandes estrelas, como Tyler Wright, John John Florence, Paige Alms, Grant Baker, Phil Rajzman, Tory Gilkerson, Mick Fanning, Stephanie Gilmore, Kelly Slater, Carissa Moore, Gabriel Medina, Courtney Conlogue, entre outros, competindo no campo de jogo mais imprevisível e dinâmico entre todos os esportes no mundo.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com

—————————————————————-

João Carvalho – WSL South America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

—————————————————————-

SEMIFINAIS DO WSL WOMEN´S TOUR NO VANS US OPEN OF SURFING:

1.a: Tatiana Weston-Webb (HAV) x Coco Ho (HAV)

2.a: Courtney Conlogue (EUA) x Sage Erickson (EUA)

OITAVAS DE FINAL DO QS 10000 VANS US OPEN OF SURFING:

1.a: Hiroto Ohhara (JPN) x Ricardo Christie (NZL)

2.a: Kanoa Igarashi (EUA) x Stu Kennedy (AUS)

3.a: Josh Kerr (AUS) x Adam Melling (AUS)

4.a: Filipe Toledo (BRA) x Davey Cathels (AUS)

5.a: Jadson André (BRA) x Carlos Muñoz (CRI)

6.a: Michael February (AFR) x Dusty Payne (HAV)

7.a: Italo Ferreira (BRA) x Patrick Gudauskas (EUA)

8.a: Griffin Colapinto (EUA) x Tomas Hermes (BRA)

RESULTADOS DA SEXTA-FEIRA NO QS 10000 VANS US OPEN OF SURFING:

QUARTA FASE – 1.o e 2.o=Oitavas de Final e 3.o=17.o lugar com 2.200 pontos e US$ 2.700:

1.a: 1-Hiroto Ohhara (JPN)=13.80, 2-Kanoa Igarashi (EUA)=12.36, 3-Jeremy Flores (FRA)=11.77

2.a: 1-Stu Kennedy (AUS)=13.17, 2-Ricardo Christie (NZL)=13.07, 3-Alejo Muniz (BRA)=11.73

3.a: 1-Adam Melling (AUS)=13.60, 2-Davey Cathels (AUS)=11.86, 3-Evan Geiselman (EUA)=7.47

4.a: 1-Filipe Toledo (BRA)=14.26, 2-Josh Kerr (AUS)=13.67, 3-Nat Young (EUA)=5.80

5.a: 1-Carlos Munoz (CRI)=9.37, 2-Dusty Payne (HAV)=9.34, 3-Noe Mar McGonagle (CRI)=7.97

6.a: 1-Michael February (AFR)=12.04, 2-Jadson André (BRA)=11.56, 3-Connor O´Leary (AUS)=10.17

7.a: 1-Patrick Gudauskas (EUA)=11.00, 2-Griffin Colapinto (EUA)=10.97, 3-Tanner Gudauskas (EUA)=10.03

8.a: 1-Tomas Hermes (BRA)=14.83, 2-Italo Ferreira (BRA)=13.23, 3-Frederico Morais (PRT)=11.10

TERCEIRA FASE – 3.o=25.o lugar (US$ 1.900 e 1.100 pts) / 4.o=37º lugar (US$ 1.600 e 1.000 pts):

———-baterias que abriram a sexta-feira:

9.a: 1-Jadson André (BRA), 2-Dusty Payne (HAV), 3-Caio Ibelli (BRA), 4-Conner Doffin (EUA)

10: 1-Griffin Colapinto (EUA), 2-Tomas Hermes (BRA), 3-Maxime Huscenot (FRA), 4-Mitch Crews (AUS)

11: 1-Patrick Gudauskas (EUA), 2-Frederico Morais (PRT), 3-Soli Bailey (AUS), 4-Jessé Mendes (BRA)

12: 1-Italo Ferreira (BRA), 2-Tanner Gudauskas (EUA), 3-Joshua Moniz (HAV), 4-Marco Giorgi (URU)

———-baterias que fecharam a quinta-feira:

1.a: 1-Kanoa Igarashi (EUA), 2-Ricardo Christie (NZL), 3-Kolohe Andino (EUA), 4-Ethan Ewing (AUS)

2.a: 1-Alejo Muniz (BRA), 2-Hiroto Ohhara (JPN), 3-Ryan Callinan (AUS), 4-Joan Duru (FRA)

3.a: 1-Stu Kennedy (AUS), 2-Jeremy Flores (FRA), 3-Aritz Aranburu (ESP), 4-Sebastian Zietz (HAV)

4.a: 1-Davey Cathels (AUS), 2-Josh Kerr (AUS), 3-Lucas Silveira (BRA), 4-Victor Bernardo (BRA)

5.a: 1-Evan Geiselman (EUA), 2-Nat Young (EUA), 3-Marc Lacomare (FRA), 4-Ian Crane (EUA)

6.a: 1-Filipe Toledo (BRA), 2-Adam Melling (AUS), 3-Jack Freestone (AUS), 4-Michael Dunphy (EUA)

7.a: 1-Carlos Muñoz (CRI), 2-Connor O´Leary (AUS), 3-Heitor Alves (BRA), 4-Beyrick De Vries (AFR)

8.a: 1-Michael February (AFR), 2-Noe Mar McGonagle (CRI), 3-Gony Zubizarreta (ESP), 4-Keanu Asing (HAV)