QS 3000 no Chile aguarda tubos perfeitos

Jacob Willcox/Foto: Nicolas Diaz

Publicidade

O mar amanheceu com ondas menores nesta sexta-feira no QS 3000 Maui And Sons Arica Pro Tour, em El Gringo, no Chile. As condições não eram as melhores, e com a aproximação do vento maral, os tubos foram afetados, fazendo com que a competição fosse suspensa após a quinta bateria do dia. Foram realizadas as três que faltavam para fechar a terceira fase e as duas primeiras da quarta rodada, com a terceira ficando para abrir o sábado, às 7h00 no Chile.

No primeiro dia, o big-rider carioca, Jeronimo Vargas, que nem estava entre os favoritos para vencer a bateria conseguiu se destacar. O atleta estreou com vitória no Desafio de Arica, em El Gringo, ao conquistar a nota 7,00 em um belo tubo somado com um 5,00 para chegar ao score de 12,00 pontos. Na briga pela segunda vaga, a promessa australiana Jack Robinson, campeão do QS 1500 de Iquique encerrado no último fim de semana também no Chile, somou duas notas na casa dos 5 pontos para superar o ex-top do CT, Wiggolly Dantas, e o mexicano Jhonny Corzo.

“Eu sabia que tinha que pegar duas ondas boas, porque os outros surfistas da bateria, o Jack (Robinson), o Wiggolly (Dantas) e o Jhonny (Corzo), são três big-riders bons de tubos também”, disse Jeronimo Vargas. “Eu tinha que pegar a melhor onda para vencer eles, então vi que as direitas tinham potencial, acreditei nelas e foi ali que consegui ganhar. A primeira bateria do dia é sempre mais complicada, a gente tá despertando ainda, o mar também, e as condições nos outros dias só iam melhorando no decorrer do dia. Felizmente, consegui achar umas direitas boas para passar em primeiro essa minha primeira bateria aqui”.

Na sequência, o francês Nomme Mignot e o australiano Nick Callister conquistaram a classificação na penúltima bateria da terceira fase, e a última foi vencida pelo havaiano Torrey Meister, que no QS 1500 de Iquique ganhou a primeira nota 10 do ano em etapas do WSL Qualifying Series na América do Sul esse ano, também no Chile. O espanhol Aritz Araburu, passou junto com ele.

A quarta fase foi iniciada com vitória brasileira do paulista Vitor Mendes, que começou a bateria com nota 6,83 e totalizou 11,16 pontos. Dois chilenos ficaram brigando com o português Nic Von Rupp, pela segunda vaga para a rodada classificatória para as quartas de final do QS 3000 Maui and Sons Arica Pro Tour. Com uma nota 5,67 na última onda, Danilo Cerda avançou e Manuel Selman foi eliminado junto com o português.

Na sequência, o australiano Jacob Willcox conseguiu superar os 12,00 pontos do brasileiro Jeronimo Vargas na bateria que abriu a sexta-feira no Chile. O surfista achou alguns tubos e manobrou forte também para somar duas notas 6,17 no placar de 12,34 pontos. A disputa pela segunda vaga da bateria ficou entre dois brasileiros do Rio de Janeiro e João Chianca foi um pouco melhor do que Pedro Neves e o mexicano Sasha Donnanno.

“Hoje as ondas estão menores, mas ainda é possível pegar uns tubos rápidos no inside e o evento está muito legal, as pessoas são bem amigáveis e as ondas são incríveis”, disse Jacob Willcox. “El Gringo me lembra alguns picos que tenho lá em casa (no oeste da Austrália), então me senti bem confortável lá fora e a esperança é de chegar um swell maior no fim de semana. Eu gostaria de agradecer a todos os surfistas locais, porque sei como é difícil quando as ondas estão boas no seu pico e tem um campeonato rolando, então obrigado pela oportunidade”.

Depois dessa bateria, a comissão técnica decidiu paralisar a competição porque as condições estavam realmente bem difíceis para competir e o próximo confronto era o dos dois peruanos que decidiram o título em El Gringo no ano passado. Com isso, a bateria do campeão Tomas Tudela e do vice Alvaro Malpartida, com o norte-americano Jordy Collins e o brasileiro Samuel Igo, ficou então para abrir o sábado, às 7h00 no Chile.