Pranchas Oric chegam ao mercado

Oric entra no mercado com força. Foto Divulgação/Oric

Oric, nova marca de pranchas, garante medidas perfeitas para os surfistas

Para incentivar o início da prática do surfe, a Oric fabrica 100% de suas pranchas na medida perfeita para cada modalidade e nível da prática de cada cliente. Com o slogan O surf é para todos, a marca acredita que todas as pessoas podem e conseguem praticar o esporte.

Publicidade

Comprovando a perfeição da fabricação da Oric, o modelo e ex-surfista profissional Paulo Zulu conta que nunca teve uma experiência parecida antes. “Em um áudio pelo Whatsapp, eu pedi uma prancha com a borda faca, fundo um pouco mais reto, o que eu sempre peço para vários shapes e nunca tive. Quando peguei a prancha, olhei e fiquei impressionado, muito diferente do convencional. Levei pra casa e fiquei namorando”.

Pranchas são replicadas com auxílio da máquina. Foto Divulgação.

Foi em Bali, na Indonésia, que Zulu teve a prova de que a prancha tinha mais potencial do que imaginava. “Na primeira onda que eu peguei, a prancha me deu uma surra, porque ela tinha mais potencial do que eu estava preparado para me doar à ela. Eu fui tendo momentos da minha vida, em poucas ondas, que eu nunca tive antes”, finaliza.

Este é um de nossos principais diferenciais. Investimos muito em qualidade e no potencial brasileiro do surfe. Todos aqui dentro (da Oric) têm paixão pelo esporte. Aliamos lifestyle, atitude, juventude, energia e coragem. Todos da equipe praticam esportes radicais das mais diversas modalidades e se identificam com a filosofia da marca, por isso é fácil acreditar no potencial de todos”, avalia Guilherme Paz, sócio e fundador da marca.

Justamente, a partir desses princípios, que a Oric nasceu. Guilherme Paz fez uma viagem de férias com sua família, a Garopaba, em Santa Catarina, no verão de 2016, e seu filho pediu uma prancha para aprender a surfar. “Nesse momento tive uma lembrança forte e arrepiante da infância e adolescência, pois desde sempre fui apaixonado pelo esporte. A partir daí, lembrei de um amigo que morou na Austrália, e por ironia do destino, acabei não indo com ele morar no exterior. Ao lembrar do Ciro Buarque, fiquei sabendo que tinha voltado ao Brasil e estava começando a produzir pranchas”, conta.

Castelo da Oric, na beira do Guaíba. Foto Divulgação/Oric

Portanto, além de revê-lo após alguns anos, fiz o pedido da prancha de meu filho ao Ciro (Oric ao contrário). Ao receber a prancha, desisti da carreira de advogado e resolvi trabalhar com algo que vem do coração, o esporte e, mais especificamente, o surfe”, completa Guilherme. E foi no quintal da casa de Ciro Buarque que a primeira prancha da Oric foi feita.

De lá para cá, a empresa não parou mais. É a primeira marca gaúcha que está ganhando destaque no Brasil e no mundo. No começo eram produzidas de 10 a 15 pranchas por mês. Hoje são aproximadamente 70. E a previsão para 2018 é de que sejam fabricadas mensalmente 100 pranchas, um crescimento de mais de 1.000%, o que mostra como o mercado de surfe e a Oric ainda têm muito a crescer.

Foto Divulgação/Oric

Hoje vendemos em todo o Brasil. Fernando de Noronha é um dos principais destinos do esporte e temos um projeto incrível com escolinhas de surfe e atletas locais por lá. Recife é outra capital que abraçou a Oric e tivemos um feedback incrível em Bali, na Indonésia, onde Paulo Zulu foi surfar com vários profissionais e foi unânime nossa qualidade. Atualmente, o atleta Gustavo Borges está presente na temporada havaiana e aprovando com louvor o equipamento da Oric”, avalia Thiago Telles, diretor executivo da empresa.

Além desses pontos, a Oric inaugurou, no dia 16 de dezembro, o Castelo da Oric, em Porto Alegre. Trata-se de um dos maiores complexos de fabricação de pranchas do Brasil, localizado na Avenida Guaíba, em frente ao rio de mesmo nome. “Tudo foi preparado com muito carinho para mudar para sempre a rotina do bairro e da cidade. Não se trata apenas de surfe, mas de todo o lifestyle que a atividade projeta: ações sociais, natureza, música e, claro, muito esporte”, explica Guilherme.

Com informações de Fernando Uehara – Vira Comunicação

Fonte noticiasdomar.com.br