Serginho Laus e Ramon Navarro surfam Pororoca no litoral do Amapá

Ramon Navarro surfando na pororoca. Foto Fabio Piva/ Red Bull Content Pool.

Em um ano em que a preservação da Amazônia tem sido um dos principais assuntos nacionais, uma descoberta movimentou a vida de dois surfistas: a existência de uma nova pororoca. A famosa onda que se formava no Rio Araguari foi extinta em meados de 2014 por conta de hidrelétricas e da criação desordenada de búfalos na região. Porém, a natureza surpreendeu e mostrou sua força levando a famosa onda para outro lugar bastante especial: o Rio Amazonas.

Publicidade

Clique aqui para ver o documentário

E é neste ambiente rico de histórias e biodiversidade que se passa o documentário inédito Amazon High Tide. Na narrativa, o surfista chileno Ramon Navarro, famoso por encarar ondas gigantes em águas geladas, e o brasileiro Serginho Laus, referência no surfe de ondas de maré, se unem para encarar essa nova onda e descobrir os mistérios dessa região selvagem e cheia de perigos, como jacarés, troncos e, claro, muita água!

1200x800

Ramon Navarro conhece Serginho Laus e o biólogo Hugo Fernandez antes do embarque para a selva. Foto: Fabio Piva / Red Bull Content Pool.

 

“Quando a pororoca parou de se formar no Rio Araguari, começamos a procurar onde toda aquela água desembocaria. Foram anos de buscas pela região, até que a encontramos em meio ao Rio Amazonas”, explica Serginho Laus. Ao encontrá-la, pensaram em como tornariam esse primeiro surfe nela ainda mais especial. Com esse objetivo, ele e sua equipe decidiram apresentá-la à Ramon Navarro. “Ele é um cara da água. Vem de uma família que faz pesca submarina e tinha muita vontade de surfar na onda que desapareceu”, completa.

A aventura pelo Rio Amazonas, que contou com a participação do biólogo Hugo Fernandez, começou em Macapá (AP) e precisou de mais de 15 horas de barco até chegar próxima à pororoca. “Eu nunca estive em um lugar tão lindo no mundo, com tanta água e tanto verde”, conta Ramon. Para ele, o calor, a umidade e as noites mal dormidas em redes, dentro do próprio barco, foram alguns dos principais desafios.

1200x800

Ramon Navarro surpreende-se com a força das ondas. Foto: Fabio Piva / Red Bull Content Pool.

 

Além dessas dificuldades, a força e o tamanho da onda também surpreenderam o chileno. Entretanto, um dos principais momentos da narrativa não veio das águas, mas compartilha dos mesmos gostos: Athirson. O garoto ribeirinho, cheio de coragem, encara a Pororoca surfando em uma porta de geladeira antiga. “Eu nunca tinha visto alguém surfar desse jeito. É incrível o que ele faz”, explica Ramon, emocionado.

Para Serginho Laus, a descoberta dessa nova onda pode dar início a uma movimentação muito positiva na região, que pode transformar a vida não só de Athirson, mas também de outros ribeirinhos. “A pororoca era muito importante para a comunidade do Rio Araguari. Já havia pessoas vivendo do turismo, aprendendo a surfar e se desenvolvendo no esporte. A gente espera que essa nova onda traga também oportunidades para quem vive ali perto e uma conscientização de como precisamos preservar a natureza”, diz.

1200x800
Serginho Laus e Ramon Navarro sob o céu da Amazônia selvagem. Foto: Fabio Piva / Red Bull Content Pool.
1200x800
Surfista local, Athirson ganha prancha de Serginho Laus. Foto: Fabio Piva / Red Bull Content Pool.
Toda essa aventura pelas águas caudalosas e perigosas da Amazônia é contada no documentário Amazon High Tide, da Red Bull TV.

Por Graziela Sirtoli

Fonte Waves