Os dez competidores da WSL mais bem premiados de 2017

Gabriel Medina foi o surfista mais bem pago do mundo em 2017 (Foto: Kelly Cestari/WSL)

Medina supera John John e encerra o ano como surfista mais bem pago do mundo

Vice-campeão mundial, brasileiro embolsou R$ 1,2 milhão contra R$ 1,06 mi do havaiano. Com R$ 996 mil faturados, Filipe Toledo aparece na terceira colocação da lista

Se o bicampeonato mundial não veio, ao menos em um quesito Gabriel Medina terminou o ano no topo do planeta. Vencedor de duas etapas do Circuito, além de um segundo lugar e dois terceiros, o brasileiro embolsou R$1.232.065,58 (US$ 374.750) na temporada, encerrando 2017 como o surfista mais bem pago do mundo.

Publicidade

John John, que conquistou o bicampeonato do Circuito Mundial na última segunda-feira, aparece na segunda colocação, com R$1.060.283,25 (US$ 322.500) arrecadados. Apesar de ter terminado o ano em décimo, Filipe Toledo, o FIlipinho, foi o terceiro mais bem pago do ano. Como o paulista venceu duas etapas, ele levou para casa uma bolada de R$ 996.173,10 (US$ 303.000).

Ao todo, três brasileiros aparecem no top10 dos mais bem pagos do ano pela WSL (Liga Mundial de Surfe). Adriano de Souza, o Mineirinho, divide a sétima colocação do ranking com o australiano Owen Wright. Os dois faturaram R$ 763.568,33 (US$ 232.250) cada.

Os dez surfistas mais bem pagos de 2017:
1. Gabriel Medina (Brasil): US$ 374.750 (R$ 1.232.065,58)
2. John John Florence (Havaí): US$ 322.500 (R$1.060.283,25)
3. Filipe Toledo (Brasil): US$ 303.000 (R$ 996.173,10)
4. Jordy Smith (África do Sul): US$ 284.250 (R$ 934.528,73)
5. Julian Wilson (Austrália): US$ 282.250 (R$ 927.953,33)
6. Matt Wilkinson (Austrália): US$ 271.750 (R$ 893.432,48)
7. Adriano Souza (Brasil) e Owen Wright (Austrália): US$ 232.250 (R$ 763.568,33)
9. Jeremy Flores (França): US$ 220.750 (R$ 725.759,78)
10. Kolohe Andino (Estados Unidos): US$ 203.250 (R$ 668.225,03)

Por globoesporte.globo.com