Morte misteriosa de surfista na Nicarágua

Jovem floridiano foi encontrado desacordado na água em Punta Miramar

Como surfistas, está gravado no nosso cérebro – nunca subestime a força do oceano. É uma frase sempre utilizada por mães preocupadas, salva-vidas durões e até mesmo por aqueles que encaram as maiores ondas. Mas, apesar de ter se tornado um clichê, é uma verdade indiscutível.

Publicidade

Na manhã da quinta-feira passada, Devan Kennedy, foi surfar em Punta Miramar, na Nicarágua. As condições estavam exigentes – ondas acima da cabeça e uma forte corrente puxando para fora no pointbreak de esquerdas. Por volta das 9 horas, o gerente da hospedaria Casa Sirena Surf Lodge viu Kennedy – que era de Jacksonville, na Flórida – de bruços inconsciente no canal. Agindo com maior rapidez possível, um grupo de surfistas trouxe Kennedy para a areia.

Gregory Chrisman, sócio da Casa Sirena, foi um dos primeiros a partir pro resgate. Em um post no Facebook, ele relatou os acontecimentos:

“Devan se encontrava inconsciente e não respondia, branco e azul e espumando… no mínimo num estado complicado. Nós o levamos até a praia e começamos a trabalhar nele. Fizemos o melhor que pudemos com o que tínhamos. Em alguns minutos uma camionete chegou e o colocamos Devon na caçamba. Héctor Estrada e um dos hóspedes do Miramar Surfcamp se revezaram nas compressões e respirações durante todo o trajeto até a clínica. Naquele momento o entregamos aos médicos na esperança de que pudessem ressucitá-lo. Ninguém sabe exatamente quanto tempo ele já estava desacordado no canal. Não havia nenhum lesão aparente.”

Infelizmente, mesmo sob cuidado especializado, já era tarde demais para Kennedy. Ainda que o primeiro grupo de surfistas a prestar socorro tenha feito seu melhor tentando salvar a vida do jovem surfista, Chrisman vê o incidente como um alerta para estar melhor preparado, apenas em caso de algo acontecer. Seu post continua:

“Sei que todos nós precisamos ser treinados (retreinados), poderíamos utilizar equipamentos adequados, como uma prancha de salvamento, máscara de oxigênio, desfibrilador automático, etc… ele talvez tivesse uma chance maior se tivéssemos ferramentas melhores. Sei que fizemos nosso melhor e espero que, se algum dia for preciso, eu tenha pessoas como estas de hoje para me ajudar.”

Com muitas ondas nesta área da Nicarágua, Punta Miramar é um dos picos que apresenta maiores riscos. É uma onda de poinbreak bem veloz, que ocasionalmente quebra sobre uma bancada rasa. Pode ser perigosa, sem dúvida – mas em termos de ondas mais mortais do mundo, Miramar provavelmente não entraria nem na lista. Assim mesmo, esta recente tragédia apenas justifica o velho conselho para nunca subestimar…, por mais batido que possa soar.

Fonte surfline.com