Medina vence em Portugal e se aproxima do bicampeonato mundial

Gabriel Medina of Brazil is chaired up the ebach after winning the MEO Rip Curl Pro Portugal for the second time in his career at Supertubos, Peniche, Portugal. Medina defeated Julian Wilson of Australia in the final to take the win and move to World No.2 on the Jeep Leaderboard and one step closer to securing a second World Title.
Gabriel Medina. Foto: Poullenot – WSL
By João Carvalho

Com uma performance inédita em ganhar as duas etapas da “perna europeia” do World Surf League Championship Tour, Gabriel Medina entra de vez na briga pelo bicampeonato mundial. Dessa vez, vingou a derrota sofrida para o australiano Julian Wilson nos tubos de Teahupoo, Taiti, conquistando o título do MEO Rip Curl Pro Portugal com uma virada nos últimos minutos da bateria que fechou a décima etapa da temporada na quarta-feira em Supertubos.

Com a vitória, Medina assumiu a vice-liderança no ranking e passou a ser o principal concorrente do havaiano John John Florence, que também tenta o segundo título mundial e ambos já tiveram grandes resultados nos tubos de Banzai Pipeline, palco da etapa final no Havaí.

Gabriel Medina (Foto: Poullenot – WSL)
Publicidade

“Estou realmente muito feliz agora. Eu tinha um objetivo de ganhar um evento na Europa, então ganhar os dois foi uma coisa incrível”, disse Gabriel Medina. “Estou muito cansado agora, porque tive que trabalhar bastante. O Julian (Wilson) já me ganhou tantas vezes desse jeito, então foi bom dar o troco nele. Quando ele conseguiu passar a frente quando faltavam cinco minutos, pensei: ‘oh meu Deus, de novo’. Mas, estava confiante e estou muito contente por ter conseguido ganhar no finalzinho dele dessa vez”.

Medina chegou na Europa em oitavo lugar no Jeep Leaderboard e tirou a vice-liderança do sul-africano Jordy Smith com as duas vitórias consecutivas em Hossegor, na França, e em Peniche, Portugal. Agora, o primeiro campeão mundial do Brasil em 2014, entrou na disputa direta pelo bicampeonato no Billabong Pipe Masters, de 8 a 20 de dezembro no templo sagrado do esporte na ilha de Oahu, Havaí.

Gabriel Medina (Foto: Poullenot – WSL)

O retrospecto dos dois nesse evento é favorável ao brasileiro. O havaiano só fez uma final em Banzai Pipeline em 2013, quando perdeu para Kelly Slater, apesar de ter outras vitórias no mesmo lugar na etapa do QS que acontece em fevereiro. Já Medina disputou duas finais seguidas no Pipe Masters, em 2014 batendo o próprio Julian Wilson e em 2015 na inédita final verde-amarela com Adriano de Souza, coroando o segundo título mundial brasileiro.

“Antes, eu não estava realmente pensando em título mundial, mas agora estou definitivamente acreditando nisso”, disse Gabriel Medina. “Ele (John John Florence) tem uma vantagem, mas agora tudo pode acontecer lá no Havaí. Eu só quero surfar o melhor que eu puder em Pipeline. Adoro aquela onda e já consegui bons resultados neste evento, então nada é impossível e vou preparado para disputar o título lá mais uma vez”.

Gabriel Medina (Foto: Poullenot – WSL)

CAMPEÕES MUNDIAIS EM MARESIAS – Antes do Havaí, Gabriel Medina vai passar em casa e será mais uma grande atração do Hang Loose São Sebastião Pro, etapa do QS 3000 nos dias 2 e 5 de novembro na Praia de Maresias, onde ele mora em São Sebastião, litoral norte de São Paulo. Com exceção de Filipe Toledo, que mora na Califórnia, toda a “seleção brasileira” do CT vai prestigiar o último evento da WSL South America, o também campeão mundial Adriano de Souza, Caio Ibelli, Miguel Pupo, Wiggolly Dantas, Italo Ferreira, Ian Gouveia e Jadson André.

Na quarta-feira decisiva em Portugal, as condições estavam difíceis para competir, com poucas ondas entrando nas baterias, mas Supertubos seguiu apresentando belos tubos nas séries de 3-4 pés e boas rampas para as manobras aéreas no último dia. Na bateria final, Medina começou na frente botando pressão no australiano com uma tática e surfar várias ondas, quatorze no total, enquanto Julian preferiu ser mais paciente na escolha.

Julian Wilson (Foto: Poullenot – WSL)

DECISÃO EM PORTUGAL – Foi assim que ele conseguiu assumir a ponta numa esquerda que pegou há cinco minutos do fim da bateria e rodou um belo tubo que valeu 6,27. Mas, Medina permaneceu ativo e ainda aumentou as duas notas que estava computando nos minutos finais. Usou os aéreos também nas esquerdas de Supertubos para arrancar notas 6,93 e 6,33 e virar o placar para 13,26 a 10,94 pontos. Depois, foi carregado pelo pai e pela torcida da areia até o pódio do MEO Rip Curl Pro Portugal.

“Parabéns ao Gabriel (Medina) e tivemos dias maravilhosos aqui, com condições desafiadoras antes do mar diminuir nesses últimos dias, mas foi um grande evento”, disse Julian Wilson. “Nós sempre conseguimos boas ondas aqui em Peniche, podem ser amedrontantes ou emocionantes e agradeço a todos que vieram a praia nos apoiar nesses dias incríveis. Todos nós gostamos dessa onda, do desafio, então realmente somos gratos por toda a positividade aqui”.

DISPUTA DO TÍTULO MUNDIAL – Julian Wilson é o quarto colocado no ranking e sua chance de título mundial é bastante remota. Ele já entra no Billabong Pipe Masters necessitando unicamente da vitória. Além disso, John John Florence não poderá vencer nenhuma bateria em Pipeline, Medina não passar da terceira fase e Jordy Smith não ser o outro finalista da bateria.  Para o sul-africano, a condição mínima é chegar na final, mas John John tira ele da briga se chegar nas quartas de final e Medina também se estiver na final.

John John Florence (Foto: Poullenot – WSL)

A batalha agora ficou mais centralizada em John John Florence e Gabriel Medina e o havaiano conquista o bicampeonato se chegar na grande final do Billabong Pipe Masters, o que só conseguiu uma vez. Caso perca nas semifinais, Medina pode ficar com o título se repetir a vitória de 2014 em Banzai Pipeline. John John obriga o brasileiro a ganhar o campeonato quando chegar as quartas de final. Se terminar em nono lugar, Medina terá que chegar na final para supera-lo. De qualquer maneira, o brasileiro precisa no mínimo alcançar as quartas de final, ou seja, vencer três baterias para ultrapassar a pontuação atual do havaiano.

Em Portugal, John John tinha a chance de confirmar o bicampeonato por antecipação, antes da etapa final em Pipeline, porém competiu numa hora ruim do mar na quarta-feira em Supertubos. Ele quase não achou ondas para surfar contra Kolohe Andino, que seguiu para disputar a semifinal com Julian Wilson, deixando o havaiano em quinto lugar no Rip Curl Pro. Na mesma posição ficou o brasileiro Miguel Pupo, barrado por outro surfista dos Estados Unidos, Kanoa Igarashi, última vítima de Medina antes da decisão do título em Peniche.

“Foi realmente difícil encontrar ondas e ele (Kolohe Andino) achou duas melhores para vencer”, lamentou John John Florence. “Infelizmente, as ondas não estavam como pela manhã. Eu estava ansioso para pegar uns tubos, mas não consegui achar nenhum na bateria. Vou voltar pra casa agora e estou muito motivado para surfar em Pipeline. Espero que tenhamos boas ondas lá e se eu ganhar o título mundial em casa, será ainda mais emocionante”.

Miguel Pupo (Foto: Poullenot – WSL)

VAGAS NO CT 2018 – Apenas dois brasileiros competiram no último dia em Portugal. Diferente de Medina, o também paulista Miguel Pupo está na batalha pelas últimas vagas para o CT 2018, na parte de baixo da tabela de classificação. Ele conseguiu reagir na “perna europeia” e está agora na porta de entrada do grupo dos 22 primeiros do Jeep Leaderboard, que são mantidos na elite dos top-34 da World Surf League para o ano que vem. Ele poderia ter ingressado no G-22 se chegasse na final em Portugal, porém ficou nas quartas de final. Mesmo assim, foi mais um excelente resultado para assumir o 23.o lugar no ranking, seguido por Wiggolly Dantas em 24.o e Italo Ferreira em 25.o.

Além dos três, também estão fora da zona de classificação para o CT 2018 o pernambucano Ian Gouveia em 27.o no ranking e o potiguar Jadson André em 32.o lugar. Eles podem também garantir suas permanências entre os dez indicados pelo WSL Qualifying Series e Jadson André vai participar das duas provas que serão realizadas agora no Brasil, antes da Tríplice Coroa Havaiana. Ele é a estrela do CT no South to South apresenta Itacaré Surf Sound Festival, que começa nesta quinta-feira e vai até domingo na Praia da Tiririca, em Itacaré, no sul da Bahia. E também estará no Hang Loose São Sebastião Pro, semana que vem na Praia de Maresias.

No WSL Qualifying Series, os brasileiros ocupam metade das vagas no G-10. No momento, os cinco estariam substituindo os cinco que estão perdendo seus lugares na elite dos top-34. O paulista Jessé Mendes (1.o no ranking) e o catarinense Yago Dora (3.o) já são dois reforços confirmados na “seleção brasileira” do CT no ano que vem. Mais dois catarinenses estão bem próximos disso, Willian Cardoso em quarto lugar e Tomas Hermes em quinto. O cearense Michael Rodrigues fecha a lista de novidades em oitavo lugar, porém terá mais trabalho para garantir vaga no G-10 na Triplice Coroa Havaiana, que fecha a temporada.

O MEO Rip Curl Pro Portugal foi transmitido pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo da WSL e no Facebook Live através da página da World Surf Lefague no Facebook, passando ao vivo também pela ESPN+ e Globoesporte.com no Brasil, CBS Sports Network nos Estados Unidos, Fox Sports na Austrália, SKY NZ na Nova Zelândia, SFR Sports na França e em Portugal e EDGE Sports Network na China, Japão, Malásia e outros territórios asiáticos.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A World Surf League (WSL), antes denominada Association of Surfing Professionals (ASP), tem como objetivo celebrar o melhor surf do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão.

A WSL vem realizando os melhores campeonatos do mundo desde 1976, promovendo os eventos que definem os campeões mundiais masculino e feminino no Championship Tour, além do Big Wave Tour, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, bem como o WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, promovendo a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis, para coroar os campeões de todas as divisões do Circuito Mundial.

Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis WSL app. A WSL tem uma enorme legião de fãs apaixonados pelo surf em todo o mundo, que acompanham ao vivo as apresentações de grandes estrelas, como Tyler Wright, John John Florence, Paige Alms, Grant Baker, Phil Rajzman, Tory Gilkerson, Mick Fanning, Stephanie Gilmore, Kelly Slater, Carissa Moore, Gabriel Medina, Courtney Conlogue, entre outros, competindo no campo de jogo mais imprevisível e dinâmico entre todos os esportes no mundo.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com

———————————————————–

João Carvalho – WSL South America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

———————————————————–

RESULTADOS DOS ÚLTIMOS DIAS DO MEO RIP CURL PRO PORTUGAL:

Campeão: Gabriel Medina (BRA) por 13,26 pontos (6,93+6,33) – US$ 100.000 e 10.000 pontos

Vice-campeão: Julian Wilson (AUS) com 10,94 pontos (6,27+4,67) – US$ 50.000 e 8.000 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com 6.500 pontos e US$ 25.000 de prêmio:

1.a: Julian Wilson (AUS) 16.83 x 14.56 Kolohe Andino (EUA)

2.a: Gabriel Medina (BRA) 11.10 x 6.24 Kanoa Igarashi (EUA)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com 5.200 pontos e US$ 16.500 de prêmio:

1.a: Julian Wilson (AUS) 7.50 x 7.40 Sebastian Zietz (HAV)

2.a: Kolohe Andino (EUA) 14.00 x 3.80 John John Florence (HAV)

3.a: Kanoa Igarashi (EUA) 12.50 x 8.44 Miguel Pupo (HAV)

4.a: Gabriel Medina (BRA) 11.33 x 3.17 Mick Fanning (AUS)

QUINTA FASE – Vitória=Quartas de Final e Derrota=9.o lugar com 4.000 pontos e US$ 13.750:

1.a: Sebastian Zietz (HAV) 12.10 x 12.07 Connor O´Leary (AUS)

2.a: Kolohe Andino (EUA) 16.53 x 10.83 Leonardo Fioravanti (ITA)

3.a: Miguel Pupo (BRA) 15.50 x 10.67 Josh Kerr (AUS)

4.a: Mick Fanning (AUS) 11.87 x 10.00 Frederico Morais (PRT)

QUARTA FASE CLASSIFICATÓRIA – Vitória=Quartas de Final / 2.o e 3.o=Quinta Fase:

1.a: 1-Julian Wilson (AUS)=11.67, 2-Sebastian Zietz (HAV)=8.10, 3-Leonardo Fioravanti (ITA)=7.77

2.a: 1-John John Florence (HAV)=17.00, 2-Kolohe Andino (EUA)=15.57, 3-Connor O´Leary (AUS)=13.50

3.a: 1-Kanoa Igarashi (EUA)=16.83, 2-Josh Kerr (AUS)=15.44, 3-Frederico Morais (PRT)=13.60

4.a: 1-Gabriel Medina (BRA)=14.47, 2-Mick Fanning (AUS)=12.47, 3-Miguel Pupo (BRA)=5.27

TOP-22 DO JEEP WSL LEADERBOARD – 10 etapas:

1.o: John John Florence (HAV) – 53.350 pontos

2.o: Gabriel Medina (BRA) – 50.250

3.o: Jordy Smith (AFR) – 47.600

4.o: Julian Wilson (AUS) – 45.200

5.o: Owen Wright (AUS) – 39.850

6.o: Matt Wilkinson (AUS) – 39.450

7.o: Adriano de Souza (BRA) – 36.600

8.o: Kolohe Andino (EUA) – 36.000

9.o: Filipe Toledo (BRA) – 35.450

10: Sebastian Zietz (HAV) – 34.450

11: Joel Parkinson (AUS) – 33.100

12: Mick Fanning (AUS) – 33.000

13: Frederico Morais (PRT) – 29.900

14: Connor O´Leary (AUS) – 28.700

15: Adrian Buchan (AUS) – 26.500

16: Michel Bourez (TAH) – 23.700

17: Joan Duru (FRA) – 23.400

18: Caio Ibelli (BRA) – 21.750

19: Jeremy Flores (FRA) – 21.450

20: Kanoa Igarashi (EUA) – 21.200

21: Conner Coffin (EUA) – 21.000

22: Bede Durbidge (AUS) – 20.200

———–outros brasileiros:

23: Miguel Pupo (SP) – 18.900 pontos

24: Wiggolly Dantas (SP) – 18.700

25: Italo Ferreira (RN) – 17.700

27: Ian Gouveia (PE) – 14.250

32: Jadson André (RN) – 11.750

36: Yago Dora (SC) – 7.000

38: Jessé Mendes (SP) – 2.250

44: Bino Lopes (BA) – 1.000

45: Samuel Pupo (SP) – 500