Macy Callaghan entra na elite, Silvana fica pelo QS

Prizegiving at the Port Stephens Toyota Pro QS6000.
Nikki Van Dijk e Macy Callaghan no podio do Port Stephens Toyota Pro QS 6000 (Foto: @WSL / Smith)

Silvana Lima fica na última vaga do QS para o CT 2019

By João Carvalho 

A terça-feira amanheceu sem boas condições em Haleiwa Beach e a segunda fase do QS 10000 Hawaiian Pro foi adiada para as 7h00 da quarta-feira no Havaí, 15h00 no horário de verão do Brasil. Já na Austrália, tinham boas ondas em Birubi Beach para finalizar o WSL Qualifying Series feminino de 2018. A surpresa foi a jovem australiana Macy Callaghan, 16 anos, que garantiu sua entrada na elite das top-17 que vão disputar o World Surf League Championship Tour em 2019. Ela confirmou seu nome quando passou para a final australiana do Port Stephens Toyota Pro QS 6000, vencido por Nikki Van Dijk. A cearense Silvana Lima contundiu o joelho, não competiu mais esse ano, mas ficou com a última vaga na lista das seis indicadas pelo ranking do QS encerrado na Austrália.

Silvana Lima (Foto: @WSL / Kelly Cestari)

No entanto, Silvana ainda está ameaçada de sair do G-6, caso a própria Nikki Van Dijk ou a havaiana Coco Ho, não confirmem suas permanências entre as top-10 do ranking do CT, que são mantidas na elite. As duas ocupam as últimas posições neste grupo que será definido no Maui Beachwaver Pro, que fecha o CT feminino nos dias 25 de novembro a 6 de novembro em Honolua Bay, na ilha de Maui, Havaí.

Publicidade

Com a vitória no Port Stephens Toyota Pro, Nikki Van Dijk terminou em segundo lugar no ranking das 52 etapas do WSL Qualifying Series disputadas em 21 países. Ela tirou a posição da havaiana Coco Ho e a jovem norte-americana Caroline Marks ficou em primeiro, mesmo sem competir na Austrália. Como as três estão se garantindo na elite entre as top-10 do CT, o ranking do QS está classificando até a nona colocada, Silvana Lima.

Nikki Van Dijk (Foto: @WSL / Smith)

A batalha por uma vaga na lista foi intensa no último dia no QS 6000 da Austrália. A última colocada no G-6 era Brisa Hennessy, que sempre competiu como havaiana e mudou de nacionalidade esse ano para representar a Costa Rica, onde nasceu. Ela travou uma disputa direta na última quarta de final com a norte-americana Sage Erickson, que poderia ultrapassa-la se vencesse essa bateria. Mas, Brisa avançou e confirmou seu nome no CT 2019 com a classificação.

ÚLTIMA VAGA – Quem também poderia entrar no G-6 era a jovem Macy Callaghan, que igualmente barrou uma concorrente direta nas quartas de final, a japonesa Mahina Maeda. No entanto, a campeã mundial Pro Junior de 2016 da World Surf League, ainda precisava passar mais uma bateria, ou seja, chegar na final do Port Stephens Toyota Pro. E ela conseguiu derrotar Bronte Macaulay nas semifinais para tirar outra australiana da lista, Keely Andrew, que não participou desta última etapa e deve perder seu lugar na elite esse ano.

Macy Callaghan (Foto: @WSL / Smith)

Com o vice-campeonato nas ondas de Birubi Beach, Macy Callaghan ficou em quinto lugar no ranking do QS 2018. Ela e a agora costa-ricense Brisa Hennessy, serão as duas únicas novidades no grupo das top-17 da World Surf League em 2019. No momento, elas estão tirando da elite a própria Keely Andrew e a californiana Sage Erickson, que fracassou na tentativa de se garantir na elite no último dia do Port Stephens Toyota Pro.

As outras quatro que ficaram no G-6 já fazem parte do CT e não conseguiram ficar entre as top-10, então buscaram suas permanências pelo ranking de acesso. A neozelandesa Paige Hareb terminou em quarto lugar no QS 2018 e é a primeira na lista das seis classificadas. A australiana Bronte Macaulay ficou em quinto no ranking, com a havaiana Malia Manuel em oitavo e a brasileira Silvana Lima ainda ameaçada na nona colocação.

Nikki Van Dijk e Macy Callaghan no podio do Port Stephens Toyota Pro QS 6000 (Foto: @WSL / Smith)

Por enquanto, o Brasil e a América do Sul estão confirmados na disputa do título mundial de 2019 com a gaúcha Tatiana Weston-Webb, que ocupa a terceira posição no ranking principal da World Surf League. Ela ficou em 11.o no QS e a próxima sul-americana é a equatoriana Dominic Barona, que neste ano conquistou o bicampeonato sul-americano da WSL South America e terminou em 25.o lugar no ranking do QS 2018.

Mais informações, notícias, fotos, vídeos e todos os resultados do QS 6000 Port Stephens Toyota Pro encerrado nesta terça-feira na Austrália, podem ser acessadas na página do evento no www.worldsurfleague.com

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A World Surf League (WSL), antes denominada Association of Surfing Professionals (ASP), tem como objetivo celebrar o melhor surf do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão.

A WSL vem realizando os melhores campeonatos do mundo desde 1976, promovendo os eventos que definem os campeões mundiais masculino e feminino no Championship Tour, além do Big Wave Tour, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, bem como o WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, promovendo a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis, para coroar os campeões de todas as divisões do Circuito Mundial.

Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis WSL app. A WSL tem uma enorme legião de fãs apaixonados pelo surf em todo o mundo, que acompanham ao vivo as apresentações de grandes estrelas, como Tyler Wright, John John Florence, Paige Alms, Grant Baker, Phil Rajzman, Tory Gilkerson, Mick Fanning, Stephanie Gilmore, Kelly Slater, Carissa Moore, Gabriel Medina, Courtney Conlogue, entre outros, competindo no campo de jogo mais imprevisível e dinâmico entre todos os esportes no mundo.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com

———————————————————–

João Carvalho – WSL South America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

———————————————————–

G-6 DO WSL QUALIFYING SERIES – Ranking Final das 52 etapas de 2018:

01: Caroline Marks (EUA) – 20.700 pontos e top-10 do CT

02: Nikki Van Dijk (AUS) – 18.850 com vaga nas top-10 do CT

03: Coco Ho (HAV) – 18.650 com vaga nas top-10 do CT

04: Paige Hareb (NZL) – 15.400

05: Bronte Macaulay (AUS) – 14.900

06: Macy Callaghan (AUS) – 13.800

07: Brisa Hennessy (CRI) – 13.400

08: Malia Manuel (HAV) – 13.350

09: Silvana Lima (BRA) – 13.180

———-próximas sul-americanas até 100:

11: Tatiana Weston-Webb (BRA) – 12.700 pontos

25: Dominic Barona (EQU) – 6.425

34: Melanie Giunta (PER) – 5.500

43: Anali Gomez (PER) – 4.490

49: Josefina Ane (ARG) – 4.200

57: Sofia Mulanovich (PER) – 3.960

65: Taina Hinckel (BRA) – 3.540

74: Monik Santos (BRA) – 3.295

87: Lucia Indurain (ARG) – 2.940

95: Lorena Fica (CHL) – 2.765

99: Jessica Anderson (CHL) – 2.680

104: Daniela Rosas (PER) – 2.475

106: Yanca Costa (BRA) – 2.420

108: Camila Cassia (BRA) – 2.410

RESULTADOS DO ÚLTIMO DIA DO QS 6000 PORT STEPHENS TOYOTA PRO:

Campeã: Nikki Van Dijk (AUS) por 14,56 pontos (7,33+7,23) – US$ 10.000 e 6.000 pontos

Vice-campeã: Macy Callaghan (AUS) com 13,34 pontos (7,17+6,17) – US$ 5.000 e 4.500 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 2.500 de prêmio e 3.550 pts:

1.a: Macy Callaghan (AUS) 13.63 x 10.27 Bronte Macaulay (AUS)

2.a: Nikki Van Dijk (AUS) 16.57 x 14.76 Brisa Hennessy (CRI)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com US$ 1.750 e 2.650 pontos:

1.a: Bronte Macaulay (AUS) 14.00 x 13.27 Paige Hareb (NZL)

2.a: Macy Callaghan (AUS) 11.83 x 10.90 Mahina Maeda (JPN)

3.a: Nikki Van Dijk (AUS) 13.27 x 11.56 Philippa Anderson (AUS)

4.a: Brisa Hennessy (CRI) 13.86 x 13.73 Sage Erickson (EUA)

OITAVAS DE FINAL – 9.o lugar com US$ 1.000 e 1.550 pontos:

1.a: Bronte Macaulay (AUS) 13.47 x 13.13 Summer Macedo (HAV)

2.a: Paige Hareb (NZL) 16.74 x 11.13 Claire Bevilacqua (ITA)

3.a: Mahina Maeda (JPN) 13.50 x 10.90 Sara Wakita (JPN)

4.a: Macy Callaghan (AUS) 14.77 x 11.23 Minami Nonaka (JPN)

5.a: Nikki Van Dijk (AUS) 15.63 x 13.56 Holly Wawn (AUS)

6.a: Philippa Anderson (AUS) 13.16 x 9.13 Kobie Enright (AUS)

7.a: Brisa Hennessy (CRI) 13.40 x 10.84 Kirra Pinkerton (EUA)

8.a: Sage Erickson (EUA) 13.26 x 10.23 Dimity Stoyle (AUS)

RESULTADOS DAS SUL-AMERICANAS NAS PRIMEIRAS FASES:

TERCEIRA FASE – 3.a=25.o lugar (US$ 500 e 700 pts) / 4.a=37.o lugar (US$ 250 e 650 pts):

4.a: 1-Macy Callaghan (AUS), 2-Minami Nonaka (JPN), 3-Ren Hashimoto (JPN), 4-Dominic Barona (EQU)

SEGUNDA FASE – 3.a=49.o lugar com 400 pontos e 4.a=61.o lugar com 385 pontos:

4.a: 1-Minami Nonaka (JPN), 2-Alysse Cooper (AUS), 3-Melanie Giunta (PER), 4-Amelie Bourke (AUS)

PRIMEIRA FASE – 3.a=73.o lugar com 370 pontos e 4.a=79.o lugar com 313 pontos:

6.a: 1-Carly Shanahan (AUS), 2-Madison Poole (AUS), 3-Jessica Anderson (CHL)