Jordy Smith é campeão do Hurley Pro at Trestles 2016

Jordy Smith is the Hurley Pro Trestles WINNER by defeating Joel Parkinson in the final.

Sul-africano barra Filipe Toledo e vence o Hurley Pro at Trestles

By João Carvalho

O sul-africano Jordy Smith, 28 anos, barrou o brasileiro Filipe Toledo, 21, nas semifinais e repetiu sua vitória de 2014 no Hurley Pro at Trestles, derrotando o australiano Joel Parkinson, 35, na bateria que fechou a etapa norte-americana do Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour em San Clemente, na Califórnia. Ele agora passa a ter chance matemática de brigar pela ponta do ranking na próxima etapa, com Gabriel Medina, 22, defendendo o título do Quiksilver Pro France, de 4 a 15 de outubro em Hossegor. O havaiano John John Florence, 23, vai competir de novo com a lycra amarela do Jeep WSL Leader e o brasileiro tirou a segunda posição do australiano Matt Wilkinson, 27, nos Estados Unidos.

“Eu tive realmente uma boa prancha nos meus pés neste evento e vim para cá com a mente aberta, atenta a tudo”, destacou Jordy Smith. “Eu perdi essa etapa no ano passado (estava contundido), quando as ondas estavam ótimas, então eu só queria mesmo me concentrar bateria a bateria. Eu assisto o Joel (Parkinson) ao longo da minha carreira e ele é um dos meus surfistas favoritos. Eu estou muito feliz, me sentindo na Lua com essa vitória sobre ele”.

Publicidade

O campeão foi impecável na escolha das ondas de 3-4 pés no mar muito inconsistente da quarta-feira em Lower Trestles, com poucas séries entrando nas baterias. Ele pegou as melhores contra Joel Parkinson para mostrar sua variedade de manobras usando a borda da prancha. O australiano só conseguiu surfar duas boas que renderam notas 8,43 e 6,93 com seus longos arcos e grandes manobras nas direitas. Já Jordy Smith, que mora em San Clemente, achou a vala e pegou seis ondas, ganhando 8,17 na terceira, 7,40 na seguinte e 7,53 na quinta, que depois foi trocada pelo 7,63 da última que surfou para sacramentar a vitória por 15,80 a 15,36 pontos e faturar o prêmio de 100 mil dólares do Hurley Pro at Trestles.

“Eu me apaixonei por essa onda e por esta cidade em 2004 (quando venceu a etapa de Trestles)”, contou Joel Parkinson, que festejou seu melhor resultado no ano e nas semifinais barrou o local de Trestles, Tanner Gudauskas, por uma pequena diferença de 14,43 a 14,33 pontos. “Este ano foi outro ano maravilhoso em Trestles para mim e estou realmente feliz por estar de volta ao pódio, pois o último tinha sido em 2014 na África do Sul. Eu estava muito motivado e ansioso também para conquistar outra vitória aqui, mas o Jordy (Smith) é um surfista incrível e tenho que dar os parabéns para ele, que é forte candidato ao título mundial”.

Joel Parkinson (Foto: Sean Rowland - WSL)
Joel Parkinson (Foto: Sean Rowland – WSL)

SAÍDA DO BRASIL – Sem previsões de melhores ondas até domingo, quando termina o prazo da etapa norte-americana, as finais aconteceram num mar muito irregular na quarta-feira, com longas calmarias. Na semifinal entre dois surfistas que moram em San Clemente e conhecem bem a praia de Lower Trestles, Filipe Toledo não conseguiu surfar nenhuma onda boa. Pegou uma até fraca no início, mas fez o melhor aéreo do campeonato para tirar 8,33 dos juízes numa única manobra. Jordy Smith deu o troco com seu “power surf”, usando a borda da prancha para abrir grandes leques de água e começar com nota 8,00.

O brasileiro pega outra mais rápido para conseguir 6,17 e abrir 6,51 de vantagem sobre o sul-africano. As séries demoravam bastante para entrar e a outra só surgiu há 8 minutos do fim da bateria. Jordy Smith tinha a prioridade de escolha da onda e a direita abriu uma parede limpa para ele fazer várias manobras com força e velocidade e ganhar nota 9,23. Com ela, assumiu a ponta nos 7 minutos finais da bateria.

Infelizmente, esta série só teve uma onda. Filipe teria que esperar a próxima para surfar e que seria decisiva para ele tirar uma nota excelente, 8,91 no mínimo. No entanto, não entrou mais nada e Filipe Toledo não teve como tentar a vitória. Ele terminou em terceiro lugar no Hurley Pro at Trestles, como no ano passado, quando perdeu a semifinal brasileira com Adriano de Souza e agora o sul-africano venceu por 17,23 a 14,50 pontos.

Filipe Toledo (Foto: Sean Rowland - WSL)
Filipe Toledo (Foto: Sean Rowland – WSL)

“Eu tive alguns erros na bateria, como na onda que o Jordy (Smith) foi numa direita e eu entrei na esquerda, que era fraca, em vez de ter ficado com a prioridade (de escolha da próxima onda)”, disse Filipe Toledo. “Eu acho que esse erro foi fatal pra mim, porque não tinham muitas ondas, mas estou feliz pelo terceiro lugar. É sempre uma sensação muito boa você estar no último dia, mas é claro que eu gostaria de ter ido pra final. Mesmo assim, foi mais um bom resultado e já estou ansioso para que chegue logo a etapa da França”. 

“O Filipe é um dos melhores do mundo em aéreos e ele fez um ali incrível, mas procurei manter a calma para selecionar bem as ondas porque o mar estava muito inconsistente, com poucas séries entrando na bateria”, disse o sul-africano Jordy Smith, sobre o duelo com Filipe Toledo, que subiu da 17.a para a 11.a posição no ranking, uma acima do atual campeão mundial Adriano de Souza, que não passou nenhuma bateria na Califórnia e caiu do sétimo para o 12.o lugar na classificação geral das oito etapas completadas nos Estados Unidos.

VITÓRIAS BRASILEIRAS – Restam três para decidir o campeão mundial da temporada, todas vencidas por brasileiros no ano passado. A próxima é o Quiksilver Pro France, que Gabriel Medina já ganhou duas vezes. E as outras duas foram encerradas com finais verde-amarelas. Num verdadeiro show de aéreos, Filipe Toledo derrotou o potiguar Italo Ferreira na decisão do Moche Rip Curl Pro, que acontece entre os dias 18 e 29 de outubro em Peniche, Portugal. Depois, o Billabong Pipe Masters, que já consagrou dois campeões mundiais do Brasil e no ano passado coroou Adriano de Souza com o título na decisão contra Gabriel Medina, fecha a temporada nos dias 8 a 20 de dezembro em Banzai Pipeline, no Havaí.

Tyler Wright (Foto: Sean Rowland - WSL)
Tyler Wright (Foto: Sean Rowland – WSL)

SWATCH WOMEN´S PRO – Também faltam apenas três etapas para definir a campeã mundial de 2016 e a australiana Tyler Wright abriu uma enorme vantagem de 7.250 pontos com a sua quarta vitória na temporada. A hexacampeã mundial Stephanie Gilmore chegou a surfar a melhor onda da bateria final, mas faltou outra para somar com esta nota 9,13, pois Tyler Wright computou duas na casa dos 8 pontos para ganhar por 17,13 a 15,13.

“Eu sabia que tinha que surfar as melhores ondas para enfrentar a Steph (Stephanie Gilmore) na final. Ela é uma inspiração para mim e sou fã do surfe dela desde criança”, disse Tyler Wright. “Eu coloquei um objetivo neste ano, que é ganhar cada bateria e toda final que eu disputar, então será assim também nos próximos eventos. Estou trabalhando muito forte e acho que tenho o melhor time do mundo comigo. Eu já estive na briga pelo título mundial antes e dessa vez me sinto muito diferente, bem mais confiante, mas ainda temos algumas etapas pela frente e não vejo a hora de competir na próxima (em Portugal)”.

Stephanie Gilmore (Foto: Sean Rowland - WSL)
Stephanie Gilmore (Foto: Sean Rowland – WSL)

Para chegar na final, a líder do ranking derrotou a americana Sage Erickson no primeiro duelo da quarta-feira em Lower Trestles e Gilmore foi fantástica no confronto australiano com Nikki Van Dijk. A hexacampeã mundial surfou duas ondas de forma incrível que valeram notas 9,50 e 9,10 para totalizar 18,60 pontos de 20 possíveis. Com o vice-campeonato, Steph subiu de sétimo para quinto no ranking, mas não tem chances de brigar pelo título mundial esse ano.

Com a vitória no Swatch Women´s Pro e a eliminação precoce da vice-líder em nono lugar na Califórnia, Tyler Wright deu um importante passo para conquistar o seu primeiro troféu de campeã na World Surf League. O próximo desafio será em Portugal, o Cascais Women´s Pro de 24 de setembro a 2 de outubro no Estoril. A vantagem da australiana ficou tão grande que ela só perde a lycra amarela do Jeep WSL Leader se não passar nenhuma bateria em Portugal e a americana Courtney Conlogue ainda tem que vencer o campeonato para ultrapassa-la.

O Hurley Pro e Swatch Women´s Pro foram transmitidos ao vivo de Lower Trestles pelo www.worldsurfleague.com com divulgação também dos parceiros de mídia da World Surf League: ESPN, Globosat e Sportv no Brasil, Fox Sports da Austrália, CBS Sports dos Estados Unidos, Edgesport, Sky NZ, Canal + Deportes, Channel Nine, MCS, Starhub e Oceanic Time Warner Cable 250 & 1250 no Havaí.

Tyler Wright, Stephanie Gilmore, Joel Parkinson e Jordy Smith no pódio (Foto: Sean Rowland - WSL)
Tyler Wright, Stephanie Gilmore, Joel Parkinson e Jordy Smith no pódio (Foto: Sean Rowland – WSL)

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A World Surf League (WSL), antes denominada Association of Surfing Professionals (ASP), tem como objetivo celebrar o melhor surf do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão.

A WSL vem realizando os melhores campeonatos do mundo desde 1976, promovendo os eventos que definem os campeões mundiais masculino e feminino no Samsung Galaxy Championship Tour, além do Big Wave Tour, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, bem como o WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, promovendo a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis.

Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis WSL app. A WSL já possui uma enorme legião de fãs apaixonados em todo o planeta que acompanha as performances dos melhores surfistas do mundo, como Gabriel Medina, John John Florence, Adriano de Souza, Kelly Slater, Stephanie Gilmore, Greg Long, Makua Rothman, Carissa Moore, entre outros, competindo no mais imprevisível e dinâmico campo de jogo entre todos os esportes no mundo, que é o mar.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com

———————————————————–

João Carvalho – WSL South America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

———————————————————–

RESULTADOS DO ÚLTIMO DIA DO HURLEY PRO at TRESTLES:

Campeão: Jordy Smith (AFR) por 15,80 pontos (notas 8,17+7,63) – US$ 100.000 e 10.000 pontos

Vice-campeão: Joel Parkinson (AUS) com 15,36 pontos (8,43+6,93) – US$ 50.000 e 8.000 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com 6.500 pontos e US$ 25.000 de prêmio:

1.a: Jordy Smith (AFR) 17.23 x 14.50 Filipe Toledo (BRA)

2.a: Joel Parkinson (AUS) 14.43 x 14.33 Tanner Gudauskas (EUA)

FINAL DO SWATCH WOMEN´S PRO:

Campeã: Tyler Wright (AUS) por 17,13 pontos (notas 8,63+8,50) – US$ 60.000 e 10.000 pontos

Vice-campeã: Stephanie Gilmore (AUS) com 15,13 pontos (9,13+6,00) – US$ 30.000 e 8.000 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com 6.500 pontos e US$ 18.250 de prêmio:

1.a: Tyler Wright (AUS) 14.60 x 14.17 Sage Erickson (EUA)

2.a: Stephanie Gilmore (AUS) 18.60 x 14.60 Nikki Van Dijk (AUS)

TOP-22 DO JEEP WSL RANKING – após a oitava etapa em Trestles:

1.o: John John Florence (HAV) – 41.650 pontos

2.o: Gabriel Medina (BRA) – 37.450

3.o: Matt Wilkinson (AUS) – 36.500

4.o: Jordy Smith (AFR) – 35.200

5.o: Kelly Slater (EUA) – 29.650

6.o: Joel Parkinson (AUS) – 28.200

7.o: Adrian Buchan (AUS) – 27.950

8.o: Italo Ferreira (BRA) – 25.750

9.o: Julian Wilson (AUS) – 25.700

10: Kolohe Andino (EUA) – 25.650

11: Filipe Toledo (BRA) – 25.450

12: Adriano de Souza (BRA) – 25.400

13: Mick Fanning (AUS) – 25.200

13: Michel Bourez (TAH) – 25.200

15: Josh Kerr (AUS) – 24.200

16: Sebastian Zietz (HAV) – 22.000

17: Caio Ibelli (BRA) – 21.700

18: Wiggolly Dantas (BRA) – 20.650

19: Stu Kennedy (AUS) – 17.200

20: Nat Young (EUA) – 17.150

21: Kanoa Igarashi (EUA) – 16.250

22: Jadson André (BRA) – 15.750

——–outros brasileiros no ranking:

23: Miguel Pupo (BRA) – 14.950 pontos

29: Alejo Muniz (SC) – 12.500

30: Alex Ribeiro (SP) – 9.950

39: Bruno Santos (RJ) – 5.200

44: Deivid Silva (SP) – 1.750

44: Marco Fernandez (BA) – 1.750

44: Lucas Silveira (RJ) – 1.750

48: Bino Lopes (BA) – 500

TOP-10 DO JEEP WOMEN´S RANKING – após a sétima etapa em Trestles (EUA):

1.a: Tyler Wright (AUS) – 53.450 pontos

2.a: Courtney Conlogue (EUA) – 46.200

3.a: Carissa Moore (HAV) – 42.500

4.a: Tatiana Weston-Webb (HAV) – 38.450

5.a: Stephanie Gilmore (AUS) – 37.300

6.a: Johanne Defay (FRA) – 35.600

7.a: Malia Manuel (HAV) – 33.500

8.a: Sally Fitzgibbons (AUS) – 33.200

9.a: Sage Erickson (EUA) – 28.550

10: Laura Enever (AUS) – 25.700