Garopaba recebe complexo do Surfland

Garopaba é o lugar escolhido para o lançamento do Surfland, empreendimento que deu a largada para ser a primeira da nova geração de piscinas de ondas do Brasil. O complexo terá um mix de resort com condomínio em parque de área total de 464 mil metros quadrados, em investimento que deve chegar a R$ 250 milhões.

A piscina de ondas é o grande chamariz do negócio, com área de 25 mil metros quadrados e estrutura com capacidade para geração de 900 ondas por hora, em tecnologia patenteada pela empresa espanhola Wavegarden.

O complexo já tem as licenças ambientais e o alvará da prefeitura local e o registro de incorporação do cartório. As obras começarão em até 4 meses e o plano é terminar o complexo em 42 meses. A obra vai gerar em média 200 empregos por mês, e o parque pode empregar até 1,5 mil trabalhadores indiretos. Já na operação, estima-se entre 200 a 240 novos postos de trabalho.

Junto da piscina de ondas, o complexo terá três restaurantes e mais quatorze operações gastronômicas, área poliesportiva, academia personalizada, espaço de meditação e convivência, entre outras áreas. Destaque para o bowl acompanhado de pista de skate assinada pelo campeão mundial da modalidade Pedro Barros, um dos embaixadores do Surfland, que tem nomes de peso “vendendo” o projeto.

Publicidade

O bicampeão mundial Gabriel Medina é um dos que compõem o time, que ainda apresenta nomes como Carlos Burle, Fabio Gouveia, Teco Padaratz, Everaldo Pato com a família Nalu, Renan Rocha e o judoca Flávio Canto, entre outros.

Meio ambiente

As informações são de Luciano Faraco, diretor comercial da Surfland, que afirmou em entrevista a HARDCORE que a preservação do meio ambiente é foco principal do complexo. Diz ele que o olhar é autossustentável, tais como na implementação de placas para aquecimento solar para geração de energia e captação de água da chuva para reuso.

Questionado sobre a piscina de ondas ser construída na cidade de Garopaba, um paraíso do surf em Santa Catarina, o diretor defendeu o projeto, dizendo que a ideia é integrar a cidade gerando mais turismo e respeitando as tradições e incentivando os serviços locais.

“O Surfland será um paraíso do surf estrategicamente localizado em um lindo local. Não vai concorrer com as praias de Garopaba. Os idealizadores do projeto são surfistas que querem manter viva a chama da busca pela onda perfeita. Temos certeza que os surfistas vão surfar ondas na Surfland, e também irão até o Rosa e a Ferrugem, principalmente quando o mar subir ou o sol brilhe em um lindo dia de verão. Queremos que os frequentadores façam seus passeios, jantem no centro de Garopaba e contribuam com a economia local. O complexo e a cidade são complementares.”

Conceito multipropriedade

Os apartamentos do condomínio serão vendidos no conceito de multipropriedade, que começa a ganhar espaço no mercado imobiliário graças a lei sancionada no final de 2018.

Cada dono terá direito a usar o apartamento, de 45 metros quadrados, por 14 dias no ano. Se quiser, pode emprestar ou alugar. Os preços partem de R$ 85 mil, com parcelas de R$ 1.200,00. Um apartamento, por exemplo, pode ser dividido em 25 frações. E no total, serão sete prédios com nomes de praias em Garopaba: Ferrugem, Rosa, Vermelha, Silveira, Siriú, Ouvidor e Barra.

“A procura inicial mesmo antes do lançamento oficial do complexo superou todas as expectativas, já temos 1.300 pessoas na lista de espera”, disse Faraco, que é gaúcho e diz sofrer com o frio da região.

“O Surfland será uma ótima opção para quando a água do mar estiver muito fria. E será inclusivo, pois queremos que as famílias sejam as principais frequentadoras do local. Teremos ondas para todos os níveis de surf, que estamos classificando em três grupos: Core (heavy user e profissionais), Crew (surfista amadores) e Crowd (principiantes). A piscina de ondas está sendo feita para todos, para que outras pessoas possam sentir a sensação de surfar.”

Fonte hardcore.com.br