Equipe gaúcha estreia na 15ª Volta à Ilha de Santo Amaro de Canoas Havaianas

Equipe gaúcha Poava’a/Sava Clube. Foto Divulgação

 Recém-formada e sem experiência em remar no mar, a equipe gaúcha Poava’a/Sava Clube fará sua estreia em disputas em grande estilo, enfrentando o 15º Desafio Volta à Ilha de Santo Amaro de Canoas Havaianas. A prova mais longa prova da modalidade no Brasil será realizada no sábado (10), na Baixada Santista. Os nove atletas enfrentarão os 75 km de remadas ininterruptas com uma expectativa: completar o percurso.

Publicidade

O capitão da equipe, Glauco Schultz, conheceu pessoalmente a disputa em 2017 e, desde então, colocou como meta a participação. “Sempre acompanhamos as disputas pela internet e tínhamos como referência de prova nessa modalidade. No ano passado estive em Santos para conhecer de perto a canoagem, os fabricantes e fazer cursos práticos. Acompanhei todo o percurso na lancha da organização e voltei para Porto Alegre muito entusiasmado”, recorda.

A formação da equipe foi efetivada só em janeiro e apesar do pouco tempo de preparação, a animação é grande. “Discutimos os objetivos e metas no grupo, com a mediação de um coach com experiência em provas de endurance. Definimos que queremos completar a prova e aproveitar muito cada remada, sentir cada metro percorrido e nos abraçarmos e comemorarmos muito quando chegarmos na praia”, afirma Glauco.

“Essa será a nossa vitória, porque foi um desafio chegar até lá, até a largada, muito tempo dedicado e esforço individual e em grupo. Completar a prova e chegar bem será uma grande vitória para todos”, complementa. “Acompanhei a prova no ano passado, como staff. Tenho convicção que a equipe aguentará o trajeto e estamos preparados para encarar as adversidades que surgirem. O tempo de preparo em grupo foi muito curto, mas a motivação de cada um irá garantir a superação”, reforça Glauco.

Os treinos foram feitos todos no Guaíba, que oferece condições de ondas, ventos e correntezas, mas bem diferente de uma situação adversa de mar. “Com ondulações grandes, não estamos preparados, por nunca termos enfrentado essas condições. Mas temos uma visão estratégica sobre como devemos nos comportar. Treinamos em um tradicional clube náutico de Porto Alegre, o Sava Clube, recebemos muitas orientações e promovemos uma oficina sobre as estratégias de navegação no mar com um instrutor da escola de motonáutica do Clube. Não é o suficiente, mas ajudou muito todo esse conhecimento”, reconhece.

Ele também não considera que o segundo trecho da prova, no Canal de Bertioga, pode garantir vantagem à equipe, por estar mais habituada a este tipo de cenário. “Não temos essa expectativa. Chegaremos nesse trajeto com um desgaste de ter remado 40 km no mar e em uma situação de novidades e descobertas”, comenta.

“As partes baixas do Canal serão o grande perigo para a equipe e deixar os remadores sem apoio e revezamento. O barco de apoio poderá encalhar. Vi isso acontecer no ano passado e poderá deixar a equipe em uma situação de alto estresse e cansaço. Então, teríamos vantagem se já tivéssemos experiência de remar nesse local. Não é porque são águas abrigadas que o trajeto é mais fácil. A novidade e as constantes descobertas nos colocarão em situação bem difícil no canal de Bertioga”, argumenta.

O time conta com atletas com idades dos 34 aos 62 anos, alguns deles com mais experiência esportiva em canoagem e stand up e até Triathlon Ironman, outros que remam por lazer e até quem começou a remar recentemente e está em aperfeiçoamento da técnica. “Essa diversidade é que faz com que o time seja forte. Sempre, em cada treino, aprendemos algo novo um com o outro”, fala Glauco, que terá na equipe os remadores Erisson dos Santos, Igor Monteiro, Nilton Marcon, Ubiratan Guedes, Alex Medeiros, Leandro Sabadin, Claiton Eduardo Luiz, Juan Diego Ortiz, além dos apoios Petrônio Capparelli e Sandra Valente.

A prova terá largada e chegada na Praia da Aparecida, em Santos, com o percurso margeando toda a Ilha de Santo Amaro, onde fica Guarujá, no sentindo anti-horário, primeiro pelo mar e depois em águas abrigadas no Canal de Bertioga e no Porto de Santos. Serão 33 equipes, novo recorde de participação, com mais de 600 pessoas envolvidas diretamente no mar.

O 15º Desafio Volta à Ilha de Santo Amaro de Canoas Havaianas tem os patrocínios de Caiaques Opium Hightec e DP World Santos. Apoios: Prefeitura Municipal de Santos, Promifae/Semes, Fundação Florestal/Secretaria Estadual do Meio Ambiente, Navega Praia Grande, Sabesp, FMA Notícias, rádio 98 FM/Unimes, TV Tribuna, Panificadora Rainha da Barra e Cinza Bar. Organização da Canoa Brasil, com supervisão da Abracha – Associação Brasileira de Canoa Havaiana.

FOTOS DIVULGAÇÃO: ARQUIVO PESSOAL

Fábio Maradei FMA Notícias