Confira como ficou a classificação geral do Circuito Mundial e a lista de Brasileiros no Tour

Ian Gouveia é sangue novo na elite mundial. Foto: Poullenot/WSL.

Após o término do Billabong Pipe Masters, última etapa da temporada do Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour 2016, foi definido quem entra, quem sai e quem permanece entre a elite do surf mundial.

Publicidade

Nos últimos dois anos, 2014 e 2015, o Brasil levou o título mundial com Gabriel Medina e Adriano de Souza, respectivamente. Mas este ano o havaiano John John Florence foi quem acabou a festa dos brasileiros ao conquistar o tão sonhado caneco da WSL em Portugal em 2016, com uma etapa de antecedência. Mesmo sem o cobiçado primeiro lugar no ranking, os atletas brasileiros seguem entre os melhores do mundo com a presença de nove surfistas na divisão principal em 2017.

BRASIL NO WCT 2017 – A seleção verde-amarela no WCT 2017 terá um representante a menos do que este ano. Isso porque saíram dois da elite, o catarinense Alejo Muniz e o paulista Alex Ribeiro, entrando apenas uma novidade pelo WSL Qualifying Series, o pernambucano Ian Gouveia. Alex e Alejo disputaram a temporada inteira da divisão principal do surf, mas foram rebaixados para a divisão de acesso. Alex ficou na quinta posição na oitava etapa, mas teve eliminações nas primeiras fases. E Alejo não participou das duas primeiras etapas do ano, o que atrapalhou para o restante de 2016.

Os oito que continuam no grupo dos Top-34 da World Surf League são os campeões mundiais Gabriel Medina e Adriano de Souza, além de Filipe Toledo, Caio Ibelli, Wiggolly Dantas, Italo Ferreira, além de Miguel Pupo, que estava ameaçado de sair da elite, mas a confirmação da sua vaga veio quando Jordy Smith derrotou Nat Young na quinta fase do Pipe Masters, e Jadson André, único que garantiu sua permanência pelo QS e não entre 22 mantidos pelo WCT.

SUBSTITUTOS DO WCT 2017 – Com o resultado no Pipe Masters, de vice-campeão, Kanoa Igarashi deixou dois brasileiros como substitutos do QS para o Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour, o baiano Bino Lopes e o paulista Jessé Mendes. Ele era o quinto no G-10 do ranking de acesso, agora entrou no grupo dos 22 que ficam na elite e tirou o também californiano Nat Young do WCT 2017. Mas a vaga do QS ficou para o seu amigo, o havaiano Ezekiel Lau, que tinha terminado em 11.o no ranking por apenas 50 pontos.

Saiba um pouco mais sobre os nove brasileiros que estão na divisão principal em 2017

ADRIANO DE SOUZA 

Foto: Poullenot/WSL.

Campeão da temporada em 2015, Adriano chegou a apenas uma semifinal em 2016 e não conseguiu brigar pelo título. Conseguiu campanhas regulares, com três quintos lugares e fechou a temporada em décimo primeiro lugar.

A temporada de 2017 é sua 12ª na elite do surf mundial. 2006 e 2007 foram difíceis para ele seguir na primeira divisão, mas desde 2008 fica entre os melhores do mundo.

GABRIEL MEDINA

 

Foto: Poullenot/WSL.

Gabriel Medina brigou pelo título na temporada até a penúltima etapa, mas ficou em terceiro lugar no geral. Após levar o título mundial em 2014, ficou em terceiro em 2015 e, nesta temporada, conseguiu bons resultados, como o título em Fiji e o vice na França.

A temporada de 2017 será a sexta do surfista na elite da modalidade. Foi 12º em 2011, sétimo em 2012 e 14º em 2013.

FILIPE TOLEDO 

Foto: Cestari/WSL.

Uma contusão na perna australiana no início do ano tirou a chance de título de Filipe Toledo na temporada. Mesmo perdendo duas etapas, Filipinho conseguiu subir na classificação com bons resultados, com os terceiros lugares em Gold Coast e na Califórnia, além de ser quinto na França. Ficou em nono.

Encerrou a temporada em 13º no Hawaii, mas com uma nota dez unânime, que anima o surfista para 2017.

ITALO FERREIRA

 

Foto: Heff/WSL.

Eleito o calouro do ano em 2015, quando terminou em sétimo lugar, Italo Ferreira não foi tão bem nesta temporada, mas assegurou um lugar na elite de 2017 sem problemas. Fechou o ranking em 15º.

Foram dois terceiros lugares, ainda na perna australiana, depois uma série de sete 13º lugares, não conseguindo subir na classificação, mas com pontos o bastante para não correr risco de rebaixamento.

CAIO IBELLI

 

Foto: Heff/WSL.

Caio Ibelli passou sua primeira temporada na elite sem grandes sustos. Logo nas quatro primeiras etapas, ele conseguiu três nonos e um quinto lugar, se colocando entre os melhores da temporada. No decorrer do ano, perdeu um pouco de rendimento, mas fechou em 16º, sendo o melhor novato da temporada.

Na última etapa, no Hawaii, Ibelli acabou eliminado logo de cara, perdendo a primeira fase para Kelly Slater, e caindo na repescagem em um mar com poucas ondas, somando apenas 4,63 pontos.

WIGGOLLY DANTAS 

Foto: Poullenot/WSL.

Wiggolly Dantas disputará pela terceira vez seguida a elite do surf mundial. ‘Guigui’ encerrou o ano em 20º no ranking, se garantindo para 2017 só depois do resultado na última etapa no Hawaii. Parou na terceira fase, caindo diante de Filipe Toledo, mas secou os rivais mais próximos, e conseguiu se manter no top 22, em 20º.

Os melhores resultados do ano vieram em Bells Beach e Fiji, em ambos os casos perdeu nas quartas de final e fechou essas etapas em quinto.

MIGUEL PUPO

 

Foto: Heff/WSL.

Qiase “bateu na trave”, mas Miguel Pupo conseguiu assegurar um lugar na elite do surf no ano que vem. Ficou em 13º no Hawaii e teve que secar alguns adversários para se garantir no Top-22. Será o sexto ano completo dele na elite  e sua melhor classificação foi a 17ª posição em 2012.

Em 2016, conseguiu dois quintos lugares e caiu seis vezes na terceira fase. Fechou a temporada em 21º.

JADSON ANDRÉ 

Foto: Cestari/WSL.

Jadson André brigou até a última etapa da principal divisão para ficar entre os 22 primeiros do ranking, mas acabou fora da lista, terminando em 26º.

Sua presença no WSL do ano que vem foi garantido pelo QS, onde terminou na oitava posição. Na principal divisão do surf, Jadson teve como principais resultados três nonos lugares, mas não foram suficientes, já que em quatro etapas sequer passou da primeira fase.

IAN GOUVEIA 

Foto: Poullenot/WSL.

Ian Gouveia terminou a temporada em nono lugar no QS,  circuito qualificatório para a divisão da elite. A vaga de Ian foi confirmada após as eliminações de Ezekiel Lau e Jack Freestone em Sunset. No último dia em Sunset, 13 dos 32 atletas estavam na briga pelas últimas vagas do QS. Bino Lopes, eliminado na terceira fase, terminou em 12º e não se manteve na lista dos 10 indicados pelo QS.

TOP-22 DO JEEP WSL RANKING – 11 etapas com 2 descartes

Campeão mundial: John John Florence (HAW) – 59.850 pontos
2.o: Jordy Smith (AFR) – 46.400
3.o: Gabriel Medina (BRA) – 45.450
4.o: Kolohe Andino (EUA) – 44.150
5.o: Matt Wilkinson (AUS) – 39.500
6.o: Michel Bourez (TAH) – 38.700
7.o: Kelly Slater (EUA) – 37.900
8.o: Julian Wilson (AUS) – 36.850
9.o: Joel Parkinson (AUS) – 35.700
10: Filipe Toledo (BRA) – 35.400
11: Adriano de Souza (BRA) – 35.350
12: Sebastian Zietz (HAW) – 31.950
13: Josh Kerr (AUS) – 30.650
14: Adrian Buchan (AUS) – 29.700
15: Italo Ferreira (BRA) – 27.500
16: Caio Ibelli (BRA) – 26.950
17: Mick Fanning (AUS) – 25.200
17: Conner Coffin (EUA) – 25.200
19: Stu Kennedy (AUS) – 24.700
20: Kanoa Igarashi (EUA) – 24.250
21: Wiggolly Dantas (BRA) – 23.650
22: Miguel Pupo (BRA) – 22.650
——–outros brasileiros no ranking:
26: Jadson André (BRA) – 17.500 pontos
32: Alejo Muniz (SC) – 14.250
35: Alex Ribeiro (SP) – 11.700
40: Bruno Santos (RJ) – 5.200
45: Deivid Silva (SP) – 1.750
45: Marco Fernandez (BA) – 1.750
45: Lucas Silveira (RJ) – 1.750
49: Bino Lopes (BA) – 500

10 CLASSIFICADOS PELO QS PARA O WCT 2017 

1.o: Connor O´Leary (AUS) – 24.025 pontos
2.o: Ethan Ewing (AUS) – 23.400
3.o: Frederico Morais (PRT) – 22.910
4.o: Joan Duru (FRA) – 22.500
5.o: Kanoa Igarashi (EUA) – 21.800 e top-22 do CT
6.o: Leonardo Fioravanti (ITA) – 20.800
7.o: Jeremy Flores (FRA) – 20.650
8.o: Jadson André (BRA) – 19.700
9.o: Ian Gouveia (BRA) – 19.450
10.o: Jack Freestone (AUS) – 18.800
11.o: Ezekiel Lau (HAW) – 18.750

CONVIDADOS PARA O WCT 2017 POR CONTUSÃO

38.o no CT: Bede Durbidge (AUS)
42.o no CT: Owen Wright (AUS)

ORDEM DOS SUBSTITUTOS DOS TOP-34 NO WCT 2017

23.o do CT: Nat Young (EUA)
12.o do QS: Bino Lopes (BRA)
24.o do CT: Keanu Asing (HAW)
13.o do QS: Jessé Mendes (BRA)

Fonte: WSL e globoesporte.globo.com