COB oferece ajuda para organizar o surf brasileiro profissional

Filipe Toledo (BRA) advances to Round 3 of the 2018 Rip Curl Pro Bells Beach after winning Heat 1 of Round 2 at Bells Beach, VIC, Australia.
Filipe Toledo (Foto: @ WSL / Kelly Cestari)

Caçula olímpico, surfe recebe ajuda do COB para se organizar no Brasil

Confederação de modalidade estreante nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 precisa se estruturar melhor no país para desenvolver o esporte, segundo Comitê Olímpico do Brasil

Gabriel Medina, Mineirinho e toda a “Brazilian Storm” dão enorme esperança ao Brasil na busca de medalhas nos Jogos de Tóquio em 2020.

Mas para surfar esta onda rumo aos próximos Jogos Olímpicos, o Comitê Olímpico do Brasil (COB) se ofereceu para ajudar a Confederação Brasileira de Surfe (CBS). A preocupação é com o futuro da modalidade, agora olímpica.

Publicidade

E a ajuda virá não apenas com repasse de dinheiro, pois, por lei, ao se tornar modalidade olímpica, a partir de agora o surfe já receberá R$ 719.696,97 neste ano por meio da Lei Agnelo/Piva. Além do surfe, skate, beisebol/softbol, escalada e karatê são as novidades do programa olímpico de Tóquio 2020 e as confederações destas modalidades recebem o mesmo valor de repasse do COB.

A interferência do COB será principalmente na organização da modalidade no país. Hoje, o Brasil recebe uma etapa do Circuito Mundial (WSL, em Saquarema, no Rio, de 9 a 20 de maio) além de eventos qualificatórios na Praia do Forte (em outubro), Itacaré (no mesmo mês) e Maresias (outubro/novembro). O que não é suficiente para desenvolver o esporte, principalmente a base.

“O circuito nacional, por exemplo, é organizado pela Associação Brasileira de Surf Profissional (Abrasp) e terá sua primeira etapa do ano na Ilha do Mel, no Paraná, no fim de abril. Para o COB, é pouco, e a confederação precisa ser mais ativa”.

Em suma, enquanto a elite da elite nacional surfa as melhores ondas do planeta e se destaca no cenário internacional, o surfe brasileiro toma caldo nas próprias praias e não consegue decolar como fazem Medina e companhia mundo afora.

Por globoesporte.globo.com

Jesse Mendes (Foto: @ WSL / Ed Sloane)