Campeão mundial, Sunny Garcia despede- se da Tríplice Coroa

Não há um surfista sequer que chegue ao Havaí sem saber quem é Sunny Garcia. Não apenas pelo título mundial conquistado em 2000 ou pela performance explosiva em ondas pesadas – como ele. Sunny, com seu porte imponente que lembra um touro, é uma lenda do arquipélago e “xerife” da ilha de Oahu, conhecido por seu temperamento agressivo com os “haoles” (surfistas estrangeiros) e ao mesmo tempo doce com seus semelhantes

Amado ou odiado, a notícia é que Sunny, o maior vencedor da Tríplice Coroa Havaiana com seis títulos – três deles consecutivos, se despede da disputa em 2016, com quase 47 anos. Em Haleiwa sua participação foi discreta. Em Sunset, palco da última etapa do QS em 2016, Garcia também ficou no round 1, na terceira colocação.

Publicidade

Nascido na costa leste de Oahu, Sunny é um legítimo local havaiano, com vasto conhecimento das ondas que integram a Tríplice Coroa – Haleiwa, Sunset e Pipeline. Sua carreira como profissional começou em 1986. A primeira coroa veio em 1992 e, nos dois anos seguintes, ninguém superou sua soma de pontuação nas três etapas. Ele foi tetra em 99, penta em 2000 – ano em que também sagrou-se campeão mundial – e hexa em 2004.

O touro havaiano tem nove vitórias em etapas do CT e o recorde de vitórias pelo QS, com 22 títulos. Pelo menos no Havaí, Sunny ainda representa uma grande ameaça para a nova geração de surfistas nos campeonatos.

Sunny ficou marcado por alguns episódios de conduta reprimida e alvo de multas por parte da Associação dos Surfistas Profissionais (ASP, antiga WSL). Um deles envolveu o brasileiro Neco Padaratz, após uma disputa de ondas em Pipeline durante a bateria. Os dois remaram lado a lado para uma onda, entraram juntos e Sunny pulou em cima de Neco. Depois, desferiu alguns socos ainda na água e perseguiu o brasileiro pela areia. Neco precisou ser escoltado até sua volta para o Brasil.

Com sua história de glórias e polêmicas escrita dentro e fora d’água, Sunny Garcia está ainda melhor fisicamente do que em seus tempos áureos da carreira. Corre, pedala e nada para sustentar seu hobby mais recente, o triátlon, e se prepara durante o ano para o impiedoso Ironman no Havaí.

Sempre muito competitivo e mais maduro, a lenda havaiana usa agora seu status para desempenhar um novo papel: mentor e treinador da próxima geração de surfistas havaianos.