Surfistas “multi categorias” se destacam no Hang Loose Surf Attack 2018

Caio Costa Hang Loose Surf Attack Ubatuba. Foto Munir El Hage

CAMPEONATO TEM A 2ª ETAPA DO RANKING NOS DIAS 27 A 29, NA PRAIA DE MARESIAS

Publicidade

Competir em duas categorias é um procedimento até comum nos eventos de surf. Os atletas buscam as conquistas em sua faixa etária e já projetam um desafio seguinte, enfrentando rivais mais velhos, para se prepararem para o futuro ou mesmo como forma de evoluir, atingindo um nível técnico mais forte. Mas para se destacar em duas disputas simultâneas a tarefa não é fácil e exige um elevado grau de técnica, preparo físico, além de disposição e foco.

No Hang Loose Surf Attack “dobrar” a performance é ainda mais difícil, pelo alto nível de competitividade. O tradicional circuito é considerado o mais forte do País nas categorias de base, tanto que revelou nomes como Adriano de Souza, Gabriel Medina e Filipe Toledo, também exemplos de atletas que sempre ‘brigaram’ por mais de um título na mesma temporada.

Na etapa inicial deste ano, em Ubatuba, o evento teve quatro exemplos de surfistas “multi categorias”, que chegaram muito bem em duas finais: Diego Aguiar e Ryan Kainalo, de Ubatuba; Caio Costa, de São Sebastião, e Eduardo Motta, de Guarujá. Comprovadamente – e não coincidentemente – os quatro já têm títulos paulistas. Mais de um, inclusive.

Didi faturou a sub18 e foi o terceiro na sub16; Ryan levou na sub12, abrindo caminho para o seu segundo bicampeonato e foi o segundo na sub14; Caio, por sua vez, venceu a sub14 e garantiu o vice na sub16; enquanto que Eduardo foi o segundo na sub18 e o quarto na sub16.

Para a segunda etapa do ranking, marcada para os próximos dias 27 a 29, na Praia de Maresias, em São Sebastião, os quatro garantem que esperam repetir e até melhorar suas apresentações. “A expectativa é garantir novas finais, ainda mais em casa, onde treino sempre. O Hang Loose não é fácil, tem sempre muita gente boa, mas a gente se prepara para chegar nos objetivos”, diz Caio Costa, também conhecido como Caveirinha, atleta do Instituto Gabriel Medina, com treinos diários em Maresias.

“O objetivo é sempre ir bem. Vou buscar o melhor resultado nas duas novamente”, confirma Ryan Kainalo, que já foi bicampeão sub10 e é o atual campeão sub12. Filho do experiente surfista Alex Miranda, ele nasceu em São Paulo e até o ano passado, dividia seu tempo entre a capital e Ubatuba e agora passou a morar no litoral norte, junto com a avó, para se dedicar ainda mais ao surf.

O Hang Loose Surf Attack 2018 também conta com as categorias sub10 e a novidade neste ano, a feminina sub16, ampliando ainda mais a atuação do campeonato na revelação e formação dos novos valores do surf. Na etapa de abertura, o cearense radicado no RJ, Cauã Costa foi o vencedor da sub16, superando três dos quatro destaques da competição – Diego, Caio e Eduardo.

No campeonato é comum a participação de atletas de outros estados e Cauã, inclusive, foi campeão geral sub14 em 2017. Entre os caçulas, a vitória em Ubatuba foi de outro surfista vindo de fora, o paranaense Anuar Chiah. Já na feminina, o primeiro lugar ficou com Sophia Medina, a irmã caçula do campeão mundial Gabriel Medina.

O Hang Loose Surf Attack 2018 tem os patrocínios de Overboard Action Sports Store, Surf Trip, Super Tubes, Hot Water, Kyw e Sthill, com copatrocínios de Rhyno Foam e CT Wax. Apoios da Prefeitura de São Sebastião, Associação de Surf de São Sebastião, Governo do Estado de São Paulo/Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude, com divulgação de Waves e FMA Notícias. Organização da Federação Paulista de Surf.

FOTOS DIVULGAÇÃO: MUNIR EL HAGE