Amigos transformam carro em escola de surf

Aldo, Marco, Brazil e Ika comandam projeto e atuam como educadores sociais (Foto: Orion Pires / G1)

Amigos fazem o próprio ‘lata-velha’ e transformam carro em escola de surf

Veículo era usado por uma emissora de TV e foi totalmente repaginado. Educadores atendem moradores e turistas que estejam em Santos, SP.

Quatro amigos resolveram deixar de lado os tradicionais empregos em escritórios e salas de aula para se dedicarem a um projeto social voltado para qualidade de vida. Para chamar atenção, eles trocaram um antigo Fusca por uma van. O veículo, que antes funcionava como uma unidade móvel de transmissão de uma emissora de TV de Santos, no litoral de São Paulo, foi totalmente repaginado e agora serve de transporte para pranchas e remos.

Além da transformação do carro, que também funciona como chamariz do projeto, eles prometem mudar a vida dos alunos ensinando esporte e respeito à natureza. O G1 acompanhou de perto uma das aulas, que durante o verão deste ano foram realizadas na praia da Aparecida, no Canal 5.

Publicidade

A ideia do Surf School, uma escolinha de surf e esportes aquáticos itinerante, surgiu de um bate-papo entre um economista, um professor de história e um administrador de empresas. Depois contribuiu também um educador físico. Todos têm em comum a paixão pelo esporte, em especial, o surf.

Projeto começou com fusca que foi trocado por uma van repaginada (Foto: Arte G1)

Evolução
“Nós começamos com um Fusca modelo 1968 [veja foto] do meu irmão Aldo e fomos crescendo. O carro não comportava mais o material. Pensamos que seria necessário uma van e soubemos que a TV estava trocando a frota. Gostamos dela porque tem a cara do surfista”, disse Carlos Henrique Cagiano, também conhecido como ‘Ika’, um dos coordenadores do projeto.

Projeto social atende também crianças com síndrome de down (Foto: Arquivo pessoal)
Projeto social atende também crianças com síndrome de down (Foto: Arquivo pessoal)
O projeto social começou há cerca de quatro anos, ainda com o Fusca. A van só foi comprada pelos irmãos em junho de 2015 e precisou passar por alguns ajustes até ganhar a ‘cara’ que a turma queria.
Como o veículo era usado por uma emissora de TV e continha muitos componentes eletrônicos dentro, foi necessário adequar o espaço interno para guardar os materiais que seriam usados nas aulas, como pranchas e remos.
Além do serviço de funilaria e do visual externo diferente idealizado por amigos, a van também ganhou um nome: Jurema. “Foi um processo de transformação. Por isso achamos que seria legal dar um nome e, então, batizamos de Jurema. Ela é uma coroa enxuta”, brinca Ika ao se referir ao ano de fabricação e quilometragem do veículo. “É modelo 1995 / 1996 e tem 150 mil km rodados”, acrescenta.
Materiais ficam guardados dentro da van estacionada na praia (Foto: Orion Pires / G1)
Materiais ficam guardados dentro da van estacionada na praia (Foto: Orion Pires / G1)
Projeto 
Aula teórica, antes de entrar no mar, é feita na areia (Foto: Orion Pires / G1)
Aula teórica, antes de entrar no mar, é feita na areia (Foto: Orion Pires / G1)

O trabalho desenvolvido pelos amigos é feito por meio de uma associação. Eles oferecem aulas individuais de surf e stand-up para moradores e turistas que frequentam as praias de Santos. Para facilitar a identificação na areia, os professores utilizam camisetas na cor azul e os alunos vestem vermelho.

Grupos especiais com crianças atendidas por casas beneficentes e portadores de deficiência também estão entre os alunos. Antes de ‘cair no mar’, os participantes recebem as primeiras orientações. A intenção dos educadores é preparar os alunos e auxiliar no tratamento e doenças e enfermidades, sempre em contato com a natureza.

“Aqui é muito democrático. Você tem a praia com um hospital a céu aberto sem limites. É bom para o corpo e mente, por isso trabalhamos com todas as idades e perfis”, comenta o educador físico Alan Pernadas Brasil, que além de auxiliar o grupo nas aulas de surf e stand-up também trabalha como professor no Lar das Moças Cegas. Ele participa do projeto há três anos e acredita que o esporte tem papel essencial na mudança da qualidade de vida e formação do ser humano.

Grupos variados participam das aulas em Santos, SP (Foto: Orion Pires / G1)Grupos variados participam das aulas em Santos, SP (Foto: Orion Pires / G1)
Por g1.globo.com