Federação Internacional de Skate apoia à Confederação Brasileira de Skate


 

A Federação Internacional de Skate publicou em seu site uma carta de apoio à Confederação Brasileira de Skate.

Leia o comunicado da entidade máxima do skate mundial

Publicidade

A Federação Internacional de Skateboarding (ISF) apóia, de forma inequívoca, o reconhecimento, a integração e o suporte à Confederação Brasileira de Skate (CBSK), para que o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) a considere em seu planejamento para a estreia do skate nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

A condição do Brasil, como um país capaz de apresentar talentos no skateboarding é indiscutível. Berço de uma extensa lista de atletas profissionais, incluindo os campeões masculino e feminino do Campeonato Street League Super Crown 2015, podemos citar os campeões mundiais Leticia Bufoni e Kevin Hoefler, profissionais de mais alto nível como Luan de Oliveira, Pamela Rosa, Felipe Gustavo, Rony Gomes e Pedro Barros; os veteranos Bob Burnquist, Carlos de Andrade, Lincoln Ueda, Rodrigo Teixeira e Sandro Dias; a produção brasileira de skatistas profissionais em nível competitivo internacional é incomparável. Essa cena se deve ao desenvolvimento e apoio realizado pela CBSk desde 1999, a qual os membros incluem mais de 800 skatistas profissionais e milhares de skatistas amadores. Conjuntamente a outras atividades, a CBSk apoia o skate brasileiro na produção de dezenas de campeonatos profissionais e centenas amadores, todo ano incluindo todas as modalidades competitivas do esporte como Street, Park, Bowl, Half-Pipe, Megaramp, Downhill Speed, Downhill Slide, Freestyle, Slalom, Push Race, entre outras. Não há dúvidas de que a comunidade do skate brasileiro estará devidamente representada nos próximos anos, e não será surpresa para ninguém ao ver skatistas brasileiros nos pódios dos eventos Skateboarding Street e Park nas Olimpíadas em Tokyo 2020.

Sob a supervisão do Comitê Olímpico Internacional Internacional (COI), a ISF uniu-se a Federation Internationale de Roller Sports (FIRS) (uma federação internacional reconhecida pelo IOC), para compor a Comissão de Skateboarding Tokyo 2020 a qual foi delegado a autoridade em relação ao gerenciamento, coordenação e organização das competições de skate dos Jogos Olímpicos de 2020.

Este tratado único deve-se à força da comunidade do skate que construiu seu esporte e atletas fora dos padrões tradicionais incorporados e utilizados no mundo do esporte.

A comunidade brasileira do skate sintetiza essa performance e paixão que levaram o COI a apoiar a recomendação do Comitê Organizador da Tóquio 2020, do skate fazer sua estréia olímpica nestes Jogos.

“Estamos testemunhando em primeira mão a incrível influência do Skateboarding e a habilidade única que esse esporte tem em mudar o mundo,” diz Gary Ream, Presidente da Federação Internacional do Skate (ISF). “Não temos dúvidas que a FIRS fará de tudo para que a CBSk seja reconhecida, integrada e devidamente apoiada em suas estruturas olímpicas no Brasil para o bem de todos os skatistas no país.”

Enquanto a COB prepara os seus moldes para o skate brasileiro em Tokyo 2020, a ISF apoia o pleno reconhecimento, engajamento e apoio à comunidade nacional do skate já existente, representada pela CBSk, que trouxe esse esporte ao nível mundial de performance em suas categorias, sempre dando ênfase a diversão, criatividade, invenção, inovação e liberdade de expressão que faz do skateboarding mais do que um esporte, e sim um lifestyle com valores agregados fora da zona de competição.

Embora respeitando o reconhecimento dos Comitês Olímpicos Nacionais, das Federações Nacionais afiliadas a FIRS, como exigido pela Carta Olímpica, o total envolvimento e apoio das comunidades de skate existentes em cada território nacional é a chave para assegurar a integração e estruturação bem-sucedida do Skateboarding como esporte olímpico.

 Fonte Tribo Skate