COB reconhece CBHP como representante do skate para Olimpíada

O presidente da entidade Carlos Arhur Nuzman. Foto Divulgação

Skatistas ameaçam boicote caso Confederação Brasileira de Hóquei e Patins administre o esporte durante o ciclo olímpico ao invés da CBSk: “É preocupante”
Apesar das 12 vagas garantidas para brasileiros na Olimpíada de Tóquio 2020, o Brasil pode ficar sem representantes na modalidade nos Jogos Olímpicos. O motivo é burocrático. Um dos requisitos para um entidade se filiar ao Comitê Olímpico Internacional (COI) é ter 90 entidades associadas a ela em 90 países diferentes, algo que a Federação Internacional de Skateboard não tem. Então, quem representa o skate no COI é a Federação Internacional de Esportes Sobre Rodas, que cumpre os requisitos. Assim, a Confederação Brasileira de Skate (CBSk), que está filiada à Federação Internacional da modalidade, não está representada no COI. Então, a entidade brasileira responsável por gerir o ciclo olímpico do skate para Tóquio é a Confederação Brasileira de Hóquei e Patins (CBHP). E o Comitê Olímpico Brasileiro (COB), que ainda não havia se posicionado, reconheceu nesta quinta-feira a CBHP como representante porque é filiada à Federação Internacional de Esportes Sobre Rodas. No site do COB, a CBSk sequer aparece como Confederação Vinculada ou Reconhecida.

Pedro Barros ameaça boicote caso CBSk não represente o skate na Olimpíada(Foto: Ezra Shaw/Getty Images)
Publicidade

Mas os skatistas não gostaram nada dessa decisão. Eles querem que a CBSk administre o processo do ciclo olímpico. Pedro Barros, hexacampeão mundial e indicado ao Prêmio Laureus, o Oscar do Esporte, já ameaçou não participar da Olimpíada caso a CBSk não seja a representante. Além disso, o catarinense de 21 anos criticou a maneira como a CBHP gere os seus esportes e teme pelo crescimento do skate.
– Seria comunicado inicialmente que seria a Confederação Brasileira de Hóquei e Patins quem estaria representando. Mas nem sequer pelo hóquei e patins eles fazem. Essas modalidades no Brasil já estão bem pra baixo há anos, aliás, nunca estiveram em alta. Então é preocupante porque nenhum dos skatistas brasileiros vai estar na Olimpíada de Tóquio se eles estiverem nos representando – afirmou Pedro Barros, que tem o apoio de Mineirinho e Ron Gomes.
Presidente da Confederação Brasileira de Skate, Edson Scander acredita que a questão burocrática será superada e a CBSk irá representar o Brasil, pois, com o boicote dos skatistas, o COI perderia muito dinheiro e a luta de 12 anos para que o esporte entrasse na Olimpíada seria em vão.
– Como a International Skateboarding Federation não tem ainda 90 entidades filiadas em países diferentes, que é um critério do COI para poder ser filiada, ela depende de uma terceira entidade, que é a Federação Internacional de Esportes Sobre Rodas, que já tem 90 entidades em 90 países, para participar do processo olímpico. Mesmo ela sendo a mais gabaritada para isso. Por isso, há um impedimento agora para a CBSk se filiar ao COB e participar do processo olímpico.Para a comunidade skatista boicotar isso é fácil O Pedro Barros já deu o sinal. E atrás dele virá uma fila. E o COI não é louco. É muito dinheiro em jogo. São mais de dez anos trabalhando para poder colocar o skate. E não vai ser por causa de uma burocracia, que existe há muito tempo, que eles vão perder esse espetáculo – declarou.

Skatistas prometem boicote caso CBHP administre o skate no ciclo olímpico (Foto: Agência Agif)

Moacyr Júnior, presidente da Confederação Brasileira de Hóquei e Patins, declara que a entidade nunca teve interesse em tomar conta do skate, mas que por estatuto a responsabilidade é da CBHP.
– A Carta Olímpica só permite uma federação internacional gestora de todos os esportes que participam dos Jogos Olímpicos Internacionais. O COI só reconhece a Federação Internacional de Esportes Sobre Rodas. E a Federação Internacional de Esportes Sobre Rodas só reconhece a Confederação Brasileira de Hóquei e Patins desde os anos 50 como a única filiado do Brasil. O skate nunca foi nossa prioridade. Como você disse, existe uma federação no Brasil, várias associações, que organizam atividades de skate. Não temos interesse em usurpar ou afrontar a atuação delas. Mas agora, por missão estatutária, temos que reger o skate durante o ciclo olímpico – afirmou.
O Comitê Olímpico Internacional ainda não se pronunciou sobre o assunto.
De sexta a domingo, uma etapa do Mundial de Skate Bowl será realizado no Tatu Skate Park, em Madureira, com transmissão do SporTV2 na sexta e do SporTV3 no sábado, a partir de 16h30.

Fonte sportv.globo.com