Etapa sul-africana do WSL Tour começa nesta quarta-feira em J-Bay

Adriano de Souza em J-Bay no ano passado no mesmo dia do tubarão na final (Foto: Cestari – WSL)

Etapa sul-africana do WSL Tour começa nesta quarta-feira em J-Bay

By João Carvalho

Publicidade

Depois do assustador incidente com um tubarão em plena final do J-Bay Open, Mick Fanning está de volta a África do Sul, especialmente para competir em Jeffreys Bay novamente. Após sair do mar emocionado por ter escapado sem arranhões da bateria, que foi cancelada e não definiu um campeão, o australiano está escalado para disputar a primeira deste ano. O catarinense Alejo Muniz é um dos adversários do tricampeão mundial para abrir a sexta das onze etapas do Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour 2016, que começa nesta quarta-feira em Eastern Cape. Outros nove brasileiros também vão competir na África do Sul, com Gabriel Medina brigando pela ponta do ranking e Adriano de Souza e Italo Ferreira defendendo vagas no seleto grupo dos top-5 do Jeep WSL Leaderboard.

Gabriel Medina's 10pt ride during round four.
Gabriel Medina no tubo nota 10 em Fiji (Foto: Sloane – WSL)

Medina vem de um brilhante bicampeonato nos tubos de Cloudbreak, batendo o número 1 do ranking, Matt Wilkinson, na grande final do Fiji Pro. Com isso, para tirar a lycra amarela do australiano nesta etapa, tanto o campeão mundial de 2014, como o havaiano John John Florence, necessitam unicamente da vitória no J-Bay Open. Além disso, Wilkinson não pode passar nenhuma bateria, ou seja, precisa perder na primeira fase e ser eliminado na segunda. Isso só aconteceu uma vez esse ano, no Oi Rio Pro apresentado por Corona no Rio de Janeiro.

Os líderes do ranking se apresentam logo após a bateria que marcará o retorno de Mick Fanning a Jeffreys Bay. O potiguar Italo Ferreira vai disputar a segunda classificação direta para a terceira fase com o paulista Miguel Pupo e o australiano Ryan Callinan. Italo está em quarto lugar e dessa vez não tem chance matemática de brigar pela ponta, batalha que na África do Sul ficou restrita aos três primeiros colocados. Um deles é John John Florence, que está na terceira bateria com o também havaiano Keanu Asing e o norte-americano Kanoa Igarashi.

Nas seguintes estreiam os últimos campeões mundiais da World Surf League. O atual, Adriano de Souza, que já venceu uma etapa do WSL Qualifying Series em Jeffreys Bay, entra na quarta com os australianos Josh Kerr e Kai Otton. E o vice-líder do ranking, Gabriel Medina, na quinta com o também paulista Alex Ribeiro e o havaiano Dusty Payne. Na sexta, é o lycra amarela de número 1 do Jeep WSL Leader, Matt Wilkinson, que compete junto com um compatriota, Davey Cathels, na bateria completada pelo convidado da África do Sul, Steven Sawyer.

O Brasil volta ao mar no confronto seguinte, com Filipe Toledo enfrentando o australiano Matt Banting e o maior ídolo do esporte, Kelly Slater. Na sequência, o potiguar estreia na oitava bateria também contra dois surfistas de outros países, assim como os paulistas Wiggolly Dantas e Caio Ibelli na nona e décima, respectivamente. Ibelli foi o melhor estreante na elite do CT na primeira metade da temporada, estava entre os top-5 até a etapa passada, em Fiji, agora ocupa a oitava posição no ranking. Os adversários da sua primeira competição em Jeffreys Bay são os experientes Joel Parkinson, da Austrália, e Jeremy Flores, da França.

CONTRA TUBARÕES – Depois do terrível incidente ocorrido no ano passado, com um tubarão se debatendo com Mick Fanning em plena bateria final, felizmente mordendo apenas a cordinha da prancha que é amarrada no tornozelo dos surfistas, a World Surf League tomou algumas providências importantes para aumentar a segurança dos atletas. No entanto, destaca que nunca houve ataques de tubarões na história da etapa sul-africana em Jeffreys Bay, mas que o esporte é disputado no habitat deles e em outras praias do circuito também é comum a presença da espécie, como Margaret River, na Austrália, por exemplo.

Mick Fanning of Australia is attacked by a shark during the Final of the JBay Open on Sunday July 19, 2015. Fanning was not harmed during the incident.
Mick Fanning na final do J-Bay Open no ano passado (Foto: WSL)

O australiano já está na África do Sul desde a semana passada e levou outro susto durante uma sessão de treinos em Jeffreys Bay, mas nada de tubarões, foi uma torção no tornozelo que ele garante que não vai lhe tirar do campeonato. “Obviamente fiquei preocupado se eu poderia surfar, mas depois de consultar o fisioterapeuta, os sinais começaram a ficar positivos e com o tempo para a reabilitação e algumas faixas, acho que vai dar. Eu espero conseguir remar e competir. J-Bay é um lugar muito especial para mim, então vou fazer tudo o que puder para participar do campeonato”.

A principal novidade da World Surf League para garantir maior segurança para os atletas, é a Clever Buoy na área da competição, uma boia com um sonar que detecta a presença de tubarões e passa o alerta até via aplicativo em telefones celulares. Além disso, também foi providenciado um avião de pequeno porte, especialmente para patrulhar toda a região de Jeffreys Bay próxima do campeonato. E também terão mais barcos no mar e um piloto de jet ski para cada atleta.

“Ninguém entra remando. E se o mar estiver pequeno, o atleta será escoltado até o outside (local onde entram as ondas). Cada um terá seu piloto particular”, garante Renato Hickel, Deputy Commissioner da World Surf League e gerente do circuito Championship Tour, em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo. “A WSL está engajada na busca por tecnologias que estão aparecendo no mercado para diminuir o potencial de ataques de tubarões. Mas, não existe nenhuma ainda que seja 100% eficiente. Os oceanos são dinâmicos, é um campo de ação perigoso, e tubarões fazem parte desse ecossistema. E os surfistas, mais do que ninguém, sabem que eles competem num habitat de vida marinha. Eu já vi tubarão passando, como vi foca, baleia, e, em seis décadas, o único caso registrado em J-Bay foi o do Mick Fanning”.

O J-Bay Open será transmitido ao vivo da África do Sul pelo www.worldsurfleague.com. A primeira chamada da quarta-feira foi marcada para as 7h00 em Eastern Cape, 2h00 da madrugada do mesmo dia pelo fuso horário de Brasília.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A World Surf League (WSL), antes denominada Association of Surfing Professionals (ASP), tem como objetivo celebrar o melhor surf do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão.

A WSL vem realizando os melhores campeonatos do mundo desde 1976, promovendo os eventos que definem os campeões mundiais masculino e feminino no Samsung Galaxy Championship Tour, além do Big Wave Tour, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, bem como o WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, promovendo a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis.

Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis WSL app. A WSL já possui uma enorme legião de fãs apaixonados em todo o planeta que acompanha as performances dos melhores surfistas do mundo, como Gabriel Medina, John John Florence, Adriano de Souza, Kelly Slater, Stephanie Gilmore, Greg Long, Makua Rothman, Carissa Moore, entre outros, competindo no mais imprevisível e dinâmico campo de jogo entre todos os esportes no mundo, que é o mar.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com

———————————————————–

João Carvalho – WSL South America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

———————————————————–

PRIMEIRA FASE DO J-BAY OPEN NA ÁFRICA DO SUL:

1.a: Mick Fanning (AUS), Conner Coffin (EUA), Alejo Muniz (BRA)

2.a: Italo Ferreira (BRA), Miguel Pupo (BRA), Ryan Callinan (AUS)

3.a: John John Florence (HAV), Kanoa Igarashi (EUA), Keanu Asing (HAV)

4.a: Adriano de Souza (BRA), Josh Kerr (AUS), Kai Otton (AUS)

5.a: Gabriel Medina (BRA), Dusty Payne (HAV), Alex Ribeiro (BRA)

6.a: Matt Wilkinson (AUS), Davey Cathels (AUS), Steven Sawyer (AFR)

7.a: Filipe Toledo (BRA), Kelly Slater (EUA), Matt Banting (AUS)

8.a: Adrian Buchan (AUS), Kolohe Andino (EUA), Jadson André (BRA)

9.a: Jordy Smith (AFR), Wiggolly Dantas (BRA), Adam Melling (AUS)

10: Caio Ibelli (BRA), Joel Parkinson (AUS), Jeremy Flores (FRA)

11: Julian Wilson (AUS), Nat Young (EUA), Jack Freestone (AUS)

12: Sebastian Zietz (HAV), Michel Bourez (TAH), Stu Kennedy (AUS)

TOP-22 DO JEEP WSL RANKING – após a quinta etapa nas Ilhas Fiji:

1.o: Matt Wilkinson (AUS) – 32.500 pontos

2.o: Gabriel Medina (BRA) – 24.000

3.o: John John Florence (HAV) – 23.900

4.o: Italo Ferreira (BRA) – 20.500

5.o: Adriano de Souza (BRA) – 20.400

6.o: Sebastian Zietz (HAV) – 18.000

7.o: Adrian Buchan (AUS) – 17.950

8.o: Caio Ibelli (BRA) – 17.700

9.o: Michel Bourez (TAH) – 16.700

10: Jordy Smith (AFR) – 16.000

11: Kolohe Andino (EUA) – 14.700

12: Joel Parkinson (AUS) – 14.450

13: Nat Young (EUA) – 14.400

13: Wiggolly Dantas (BRA) – 14.400

15: Julian Wilson (AUS) – 13.500

16: Mick Fanning (AUS) – 13.450

17: Filipe Toledo (BRA) – 13.250

18: Conner Coffin (EUA) – 11.950

19: Dusty Payne (HAV) – 11.450

20: Kanoa Igarashi (EUA) – 11.000

20: Stu Kennedy (AUS) – 11.000

22: Miguel Pupo (BRA) – 10.950

——–outros top-34 do Brasil:

28: Jadson André (BRA) – 7.250 pontos

30: Alejo Muniz (BRA) – 6.250

38: Alex Ribeiro (BRA) – 2.500