Nova geração também é destaque no Brasileiro de Surf Feminino

Rafaela Coelho durante competição. Foto: Divulgação.

A grande atração do evento é a disputa do título brasileiro profissional de 2017, mas a nova geração também é destaque e nomes que já começam a despontar estarão em ação a partir desta sexta-feira (22) no ‘Wiggolly Dantas apresenta Wizard Brasileiro de Surf Feminino’, em Ubatuba.

Publicidade

A competição na praia de Itamambuca terá três dias, com as finais no domingo (24) e promete reunir atletas de vários estados.

Nas categorias de base, a catarinense Rafaela Coelho é um dos nomes fortes e chega no litoral norte paulista para tentar um novo título. No ano passado, ela foi a campeã da sub12 e em 2015 foi a vice na mesma faixa etária, mostrando ser um dos principais talentos da nova geração feminina que vem chegando. Desta vez, ela compete na sub14 e na sub16, categorias incluídas este ano, para fortalecer ainda mais a formação de novos valores.

“Minha expectativa é de ser campeã em pelo menos uma das duas categorias, mas vou lá para tentar ao máximo ser campeã nas duas”, anuncia. “Estou muito feliz em ter esse campeonato novamente, pois no Brasil o surf feminino não é tão visto e apoiado e saber que temos um evento só para meninas é um significado muito grande. Com certeza, todas atletas estão muito gratas ao Wiggolly, sua família e todos envolvidos”, elogia Rafaela.

A catarinense, Rafaela Coelho é um dos nomes fortes nas disputas de base. Foto: Divulgação.

Aos 13 anos, a atleta da Guarda do Embaú teve como incentivo o pai, Helio Coelho, que é surfista de longboard. “Desde os meus três anos eu já ia no pico do longboard e ficava na beirinha. Com meus seis, sete anos, foi quando comecei a querer de verdade o surf na minha vida. Desde então, me apaixonei. Ninguém nunca colocou pressão ou obrigação de surfar. Vou para Ubatuba para me divertir”, conta Rafaela, que já sabe bem o que quer para o futuro. “Espero entrar no WCT e ficar entre as cinco melhores do Mundo, para depois buscar o título mundial”, planeja.

Em 2015, Rafaela ficou com o segundo lugar, atrás apenas da conterrânea, Tainá Hinckel, e superou a paulista Pamella Mel e a gaúcha Yasmin Dias, também grandes talentos que vem despontando. Já no ano passado, foi a campeã, à frente da paulista Sophia Medina, irmã do primeiro brasileiro campeão mundial de surf, Gabriel Medina e outro nome certo na competição. Pamella Mel repetiu o terceiro lugar e o talento local, Luana Soares, foi a quarta colocada.

TRANSMISSÃO AO VIVO – Estarão em ação sete categorias femininas no evento. A disputa profissional distribuirá R$ 15 mil em premiação, a longboard terá R$ 5 mil divididos entre as melhores colocadas e para a revelação e formação de novos valores do surf, a sub10, su12, sub14, sub16 e sub18. Outra atração será o Air Show para a categoria masculina. Quem não conseguir ir até a praia, poderá acompanhar tudo ao vivo pela internet, com a transmissão das imagens, som e notas pelos sites www.fpsurf.com.br e www.aus.org.br.

Fonte surfar.com.br